Na semana em que a venda da Oi é oficializada, milhares de clientes denunciam descaso da empresa

Postado em: 18-04-2022 às 15h44
Por: Carlos Nathan Sampaio
Reclame Aqui registrou quase 40 mil reclamações em apenas um ano, e empresa parece ter sumido do mapa quando se trata de resolver os problemas | Foto: reprodução

A venda da Oi para a Claro, Tim e Vivo ocorreu durante um leilão em dezembro de 2020, mas a oficialização do negócio deve ocorrer somente nesta quarta-feira, dia 20 de abril de 2022. Com isso, as companhias notificaram a Oi e firmaram o fechamento da transação, bem como a assinatura do contrato, já que as companhias têm até 18 meses para fazer toda a migração.

Enquanto isso, porém, nestes quase 2 anos, quem levou a pior foram os clientes. Apenas nos últimos 12 meses, o Reclame Aqui (site brasileiro de reclamações contra empresas sobre atendimento, compra, venda, produtos e serviços) registrou 38 mil reclamações, das quais nenhuma foi solucionada pela Oi.

São milhares de consumidores lesados com serviços como telefonia móvel e/ou fixa envolvendo internet, ligações e mensagens. Um cliente goiano da Oi, o publicitário Guilherme de Sousa, de 31 anos, afirmou que cancelou seu plano pós-pago, deixando o celular no pré-pago até escolher uma empresa nova, mas depois disso só teve prejuízo.

“Depois que cancelei o pré-pago, minha vida se tornou um caos, a internet 4G da Oi parou de funcionar em meu celular, tenho que depender de Wifi em todo lugar que vou, tentei ligar e resolver o problema diversas vezes e mesmo com demora imensa, quando atendem não resolvem nada. No momento não posso contratar um plano pós-pago de outra telefonia, pois me planejei para fazer isso apenas em maio, então já são semanas sem ter um serviço de qualidade da Oi”, disse o publicitário.

Essas são algumas das milhares reclamações da empresa. No site do Reclame Aqui as reclamações são parecidas, algumas até mais graves, mas se retorno nenhum. Os principais problemas registrados foram os de cobrança indevida (15.68%), telefonia fixa (15.74%) e telefonia celular (31.71%).

O ideal, neste momento, segundo aconselham especialistas, é entrar em contato com o Procon, ou, em casos mais graves, pedir a orientação de um advogado especialista em direito do consumidor. A reportagem tentou entrar em contato com a empresa por todos os canais disponíveis possíveis, mas não obteve uma resposta até a publicação desta matéria.

A venda

Por se tratar de uma companhia grande, o processo de venda da Oi Móvel demorou bastante. Os órgãos como Anatel e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) precisaram aprovar a compra para que a Claro, TIM e Vivo possam assumir a operadora.

A partir da operação, a Oi deve receber em torno de R$ 16,5 bilhões pelo braço de telefonia móvel e contratos de capacidade. A maior parcela irá para a Tim – que pagará R$ 7,3 bilhões, e em troca, receberá 40% da base de clientes da Oi.

Já a segunda fatia vai para a Vivo, que deve pagar R$ 5,5 bilhões. Por fim, a Claro deve pagar R$ 3,7 bilhões pela fatia restante. Em suma, o fim do negócio de venda da Oi não significa que todos os clientes serão transferidos para a operadora compradora imediatamente. Ou seja, as companhias têm 18 meses para a migração completa.

Até o momento, a TIM é a única operadora que já detalhou o processo de transição. Em até 3 meses após a oficialização do negócio, os clientes da Claro devem migrar para a Tim.

Ademais, os dados da Anatel apontam que a Oi tinha 16,4% de todo o mercado de telefonia celular do Brasil. Ou seja, 42,1 milhões de linhas. A maioria dos clientes têm pré-pago, enquanto o pós-pago representa 40% dos acessos.

Compartilhe: