Elize Matsunaga recebe liberdade condicional e declara: “Estou tendo uma segunda chance. Infelizmente, o Marcos não”

A pena de Eliza seria de 19 anos e 11 meses, porém, o STJ, Superior Tribunal de Justiça, reduziu para 16 anos e 3 meses.

Postado em: 31-05-2022 às 14h11
Por: Victória Vieira
A pena de Eliza seria de 19 anos e 11 meses, porém, o STJ, Superior Tribunal de Justiça, reduziu a pena para 16 anos e 3 meses | Foto: Reprodução/ Wilson Araújo/ TV Vanguarda

Nesta segunda-feira (31/5), Elize Matsunaga recebeu liberdade condicional após ser condenada e presa a 10 anos por matar e esquartejar seu marido, Marcos Matsunaga. Em vídeo gravado pela defesa da bacharel em direito, ela aparece dizendo que está muito feliz e acredita que seu marido já a perdoou pelo crime cometido.

A pena de Eliza seria de 19 anos e 11 meses, porém, o STJ, Superior Tribunal de Justiça, reduziu para 16 anos e 3 meses. O assassinato aconteceu em 19 de maio de 2012, na Zona Oeste de São Paulo. Marcos Matsunaga, de 42 anos, era herdeiro da empresa alimentícia, Yoki. Ele e Eliza se conheceram quando ela se prostituía.

A bacharel alega que foi vítima de violência doméstica por parte do marido, que ameaçava-a constantemente de matá-la e tirar a guarda de sua filha. Além disso, ela descobriu que seu marido à traiu várias vezes. Para se defender de novas agressões e ameaças sofridas, a bacharel disparou uma bala na cabeça de Marcos, com uma das 34 armas que colecionavam na casa que dividiam juntos.

Continua após a publicidade

Eliza foi solta da penitenciária de Santa Maria Eufrásia Pelletier, em Tremembé, localizada no interior de São Paulo, após seu advogado de defesa, Luciano de Freitas Santoro, expedir um alvará de liberdade que foi concedido pelo Departamento Estadual de Execução Criminal da 9ª Região Administrativa Judiciária. Junto com seu advogado, ela gravou um vídeo falando sobre a sua “nova chance”. Confira:

Eliza Matsunaga e seu advogado de defesa, Luciano de Freitas Santoro.

Eliza disse que por enquanto não poderá conceder entrevistas devido ao fato de ter assinado um contrato com uma empresa audiovisual e por estar escrevendo o seu próprio livro, dedicado a sua filha contando sobre o motivo de ter matado Marcos. A obra se chamará “Piquenique no inferno” e será lançado em breve.

Por enquanto, a bacharel está passando o restante de sua pena em liberdade, mas com regras e condições de avisar periodicamente o que está fazendo e onde vai, compartilhando o endereço à Justiça.

Veja Também