Em uma semana, 3 PMs se envolveram em tragédias com chacinas e assassinatos; Entenda

Desde o dia 9 de junho três policiais militares se envolveram em tragédias pessoais, como chacinas e assassinatos, acerca de familiares. Entre os três casos, dois tiveram como vítima a parceira dos PMs.

Postado em: 15-07-2022 às 17h19
Por: Redação
Entre os três casos, dois tiveram como vítima a parceira dos PMs | Foto: Reprodução

Desde o dia 9 de julho três policiais militares se envolveram em tragédias pessoais, como chacinas e assassinatos envolvendo familiares. Entre os três casos, dois tiveram como vítima a parceira dos PMs.

Na madrugada desta sexta-feira (15/7), o militar Fabiano Junior Garcia, de 37 anos, matou sua família de oito pessoas. Ele morava em Toledo, oeste do Paraná, com a esposa e um filho.

O PM, lotado no 19º BPM (Batalhão de Polícia Militar), após o crime em Toledo, foi à Céu Azul, propriedade rural, onde matou a tiros dois de seus filhos, que moravam com a avó materna. Em seguida, retornou a Toledo, lugar que matou sua mãe, de 78 anos, e de um irmão, de 50 anos.

Continua após a publicidade

A Polícia também acredita que, com a morte de dois pedestres que estavam caminhando no local, a chacina foi concluída com oito pessoas. Na sequência, Fabiano deixou um áudio no grupo da família e, logo após, tirou sua própria vida.

“Família, me desculpa, mas eu não ia conseguir viver sem a Kassiele. Me desculpa, ela já não estava suportando muito o jeito que eu lidava com ela (…) Ela deixou a entender que não queria mais continuar comigo”, disse na gravação.

Leia também: ‘Não há provas que mostrem se a motivação foi política’ diz Polícia Civil sobre o assassinato de petista

PM mata namorada e também tira própria vida

Agente da Polícia Militar, Rafael Oliveira, baleou Jéssica Amanda Sanávio, a matou e, em seguida, tirou a própria vida. Assim, o caso foi registrado na Polícia Civil como feminicídio e suicídio. A tragédia ocorreu na noite desta quarta-feira (13/7), em São Mateus, na Zona Leste de São Paulo.

Consta no boletim de ocorrência que, apesar de manter um relacionamento, “brigavam muito”. Ainda conforme o texto, Rafael havia enviado mensagens ameaçando matar a namorada e que se auto dizimaria em seguida.

Jéssica chegou a notificar um amigo policial militar sobre a situação, porém ele não conseguiu encontra-la a tempo. A assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública (SSP), o 69º Distrito Policial (DP), Teotônio Vilela, e a própria Polícia Militar estão apurando os motivos do crime.

Leia também: Mortes por intervenção policial no Brasil caem após oito anos

Após briga com parceira, militar atira na própria cabeça

No último sábado (9/7), o tenente Lucas da Silva Filipi, 25 anos, da Polícia Militar foi encontrado morto próximo à entrada principal do anexo do Palácio do Planalto, na área central de Brasília.

O PM e sua namorada voltavam de uma festa, no Setor de Clubes Sul, quando entraram em uma discussão dentro do carro. Sendo assim, ele teria puxado uma arma de fogo, ocasionando no capotamento do carro.

Em seu relato, a mulher afirma ter entrado em uma luta corporal com o PM, após ter saído do veículo. Ela tentou desarmar o policial, que, supostamente, tinha como objetivo tirar a própria vida.

A namorada alega ter pedido ajuda da guarda da Presidência da República, para evitar a calamidade, mas o tenente conseguiu se auto lesionar.

Veja Também