Outubro Rosa: Médica oncologista goiana disponibiliza cartilha gratuita sobre o câncer de mama

Postado em: 01-10-2021 às 18h20
Por: Alexandre Paes
Danielle Laperche disponibiliza material que traz informações sobre a prevenção, o diagnóstico e o tratamento do câncer de mama | Foto: Reprodução

Outubro rosa é o mês dedicado a compartilhar informações e promover a conscientização sobre o Câncer de Mama. Só em 2020, foram diagnosticados 2,3 milhões de casos segundo dados da Agência Internacional de Pesquisa do Câncer (IARC). Buscando alertar as mulheres para a importância dos exames de rotina a médica Danielle Laperche lança uma cartilha com informações sobre prevenção, diagnóstico e tratamento da doença.

“Distribuir isso de forma gratuita é uma maneira de ajudar e mudar a conscientização em relação à doença, que é um dos grandes objetivos da campanha do Outubro Rosa”, afirma Danielle. Além de ajudar na orientação das mulheres, a cartilha traz orientações e estudos sobre a doença. “A ideia de lançar o e-book é trazer mais informações sobre a doença, sobre os fatores de risco, sobre o que a mulher pode fazer para ser mais proativa em relação a sua própria saúde” explica.

Diagnóstico precoce

O mais indicado é realizar a mamografia de rotina para diagnosticar a doença ainda no início. “Já tínhamos uma realidade difícil e isso se agravou muito com a pandemia com a redução dos exames realizados e das consultas de rotina e pelo fato das mulheres estarem esperando sintomas importantes para buscar atendimento. Sabemos que isso impacta negativamente tanto nas opções de tratamento quanto nas chances de cura da doença”, explica Laperche.

O autoexame não é suficiente para a detecção precoce do câncer de mama. Um estudo feito por pesquisadores da Queen Mary University of London reuniu cerca de 160 mil mulheres, acompanhadas ao longo de mais de 20 anos. Os resultados mostraram que as pacientes que fizeram o exame mais precocemente tiveram índice de mortalidade 25% menor por câncer de mama.

O diagnóstico precoce diminuiria o número de mastectomias e o uso da quimioterapia. Além de serem procedimentos caros e que afetam a qualidade de vida do paciente no longo prazo. Danielle comenta que “acredito que o ideal seria mamografia para mulheres mais jovens, uma vez que no Brasil elas representam um número muito importante dos casos de câncer de mama”.

Compartilhe: