Saiba por que a Ômicron é menos mortal, mas resiste por mais tempo em algumas superfícies

Postado em: 25-01-2022 às 17h34
Por: Almeida Mariano
A variante Ômicron resiste até 193 horas, aproximadamente oito dias, em superfícies plásticas, enquanto a cepa originária de Wuhan sobreviveu apenas 56 horas. | Foto: Reprodução

Um estudo realizado por pesquisadores das Universidades alemãs de Kent e de Frankfurt revelou que a razão da variante Ômicron causar menos mortes é a inibição pelo interferon, proteção imunológica presente nas células do corpo responsável pela produção de anticorpos. Porém, estudos no Japão indicam que a variante Ômicron tem mais capacidade de sobreviver em superfícies do que as cepas anteriores do coronavírus.


A pesquisa dos cientistas da Alemanha, publicada nesta última segunda- feira (24) que a cepa é vulnerável a 8 tipos de medicamentos antivirais testadas no tratamento contra o vírus. A Organização Mundial da Saúde (OMS) já havia afirmado anteriormente que a Ômicron provoca sintomas menos severos que as demais variantes do coronavírus.

De acordo com estudos publicados no fim de 2021, a Ômicron tem maior probabilidade de infectar a garganta que os pulmões. Com isso, a cepa se torna mais transmissível, mas menos mortal. Porém, o presidente da OMS, Tedros Adhanom, já alertou que a variante não deve ser classificada como “leve”.

Um estudo da Universidade de Medicina de Kyoto, no Japão, indica que a variante Ômicron tem mais capacidade de sobreviver em superfícies do que as cepas anteriores do coronavírus. A variante Ômicron resiste até 193 horas, aproximadamente oito dias, em superfícies plásticas, enquanto a cepa originária de Wuhan sobreviveu apenas 56 horas.

Compartilhe: