Com 7 m², menor apartamento de Londres está a venda por cerca de R$ 350 mil; confira o imóvel

Imóvel está localizado em prédio vitoriano em Lower Clapton, bairro na zona leste da cidade inglesa

Postado em: 22-02-2022 às 16h52
Por: Maria Paula Borges
Imóvel está localizado em prédio vitoriano em Lower Clapton, bairro na zona leste da cidade inglesa | Foto: divulgação

O menor apartamento de Londres está à venda e chamou atenção da imprensa britânica por dois fatores combinados: o preço do imóvel e o valor de mercado. O apartamento tem apenas 7 m² e quem desejar morar no local precisará gastar, pelo menos, £ 50 mil, se convertido para a atual cotação da moeda, o cliente terá que desembolsar cerca de R$ 350 mil.

O espaço minúsculo tem espaço apenas para o básico, ou seja, uma cama, vaso sanitário, chuveiro, pia, micro-ondas e algum espaço mínimo de armazenamento. Com isso, surge o questionamento: se o apartamento é tão pequeno, por que o valor desproporcional? A resposta está na empresa responsável pelo leilão da propriedade, a My Auction, que tem o valor como lance mínimo aceito.

O imóvel está localizado no primeiro andar de um prédio vitoriano em Lower Clapton, bairro situado na zona leste de Londres.

Continua após a publicidade

Durante 2021, o apartamento foi alugado pelo atual proprietário para inquilinos pelo valor de £ 800 mensais, ou seja, R$ 5.550. De acordo com Stuart Collar-Brown, diretor da empresa, a propriedade está sendo vendida como oportunidade de investimento.

Ao portal Insider, Stuart explicou ainda que o próximo comprador deverá pagar o valor à vista. “O imóvel é muito pequeno para se qualificar para um empréstimo hipotecário, então o próximo comprador precisaria pagar totalmente à vista, embora o espaço ainda atenda aos padrões mínimos de vida”.

Pelo Twitter, um internauta afirmou ser “terrível pensar o que está se tornando o padrão de vida nesse mundo”.

Especialistas já vinham chamando atenção a respeito do fenômeno crescente de pequenas moradas, impulsionada pelo aumento dos aluguéis e preços dos imóveis. Com isso, a procura por microflats está crescendo. Além disso, especialistas afirmam que alguns clientes procuram espaços ainda menores.

A imprensa britânica afirmou também que a expectativa é que o imóvel seja arrematado por até £ 80 mil, aproximadamente R$ 555 mil, mesmo com o alto valor do lance mínimo.

O pequeno apartamento aloja uma cama de solteiro alta com guarda-roupa e armário embaixo, conhecida como “beliche do capitão”, além de pia, prateleiras e uma mesa dobrável. Nas prateleiras embaixo da “cama” há ainda um micro-ondas.

Que o espaço disponibilizado para o imóvel é minúsculo é um fato, fugindo inclusive do senso comum do pensamento a respeito da proporção. Um carro popular, por exemplo, tem em média 5 m², ou seja, o microapartamento tem quase o tamanho de um carro popular.

O imóvel inglês tem 7 m² avaliados em cerca de R$ 350 mil, então, o m² que “atende aos padrões mínimos de vida” custa em média R$ 50 mil. Segundo o site agente imóvel, o valor do m² em São Paulo, em bairros mais valorizados, custa em média R$ 20.500.

Embora o espaço seja pequeno, Stuart afirmou que acredita que o baixo preço e a proximidade com serviços locais são o apelo de uma casa tão pequena. “Você não pode realmente aumentar muito, o preço vai vender, pois é um investimento. Por causa do aluguel que você pode esperar, você receberá seu dinheiro de volta em cinco anos e meio”, disse.

Além disso, Stuart diz que a falta de utensílios de cozinha não foi um problema para os inquilinos anteriores, portanto, depende do estilo de vida individual do comprador. Para isso, a sugestão do empresário é que os futuros proprietários pudessem procurar micro-ondas combinados que tenham habilidades para grelhar, um prato quente ou uma grelha. Stuart acrescentou ainda que o comprador pode adquirir uma cama que pode ser dobrada para se tornar uma mesa, minimizando assim o espaço.

Veja o apartamento por dentro.

Apartamento | Foto: divulgação
Beliche do capitão” | Foto: divulgação
Apartamento | Foto: divulgação
Banheiro | Foto: divulgação

Veja Também