Imagens chocam ao mostrar meninas afegãs presas em gaiolas por sofrerem de doenças neurológicas

As jovens sofrem de um tipo de esquizofrenia que pode ser parcialmente curado, mas suas famílias não possuem condições de arcar com os tratamentos.

Postado em: 27-04-2022 às 12h21
Por: Redação
As jovens sofrem de um tipo de esquizofrenia que pode ser parcialmente curado, mas suas famílias não possuem condições de arcar com os tratamentos | Fotos: Reprodução/Rukhshana Media

Imagens de duas adolescentes com problemas neurológicos sendo presas em gaiolas causaram espanto ao serem divulgadas nesta semana. As meninas são da cidade de Kandahar, no Afeganistão, e segundo seus familiares, elas são aprisionadas para não terem ataques violentos.

A mais nova, com 15 anos se chama Robina. Ela foi diagnosticada com o distúrbio quando tinha 6 meses de vida, desde então, a jovem não consegue falar e nem mexer a parte direita do corpo, mas pode se mover. O pai conta que ela permanece na gaiola durante o dia e sai à noite. Segundo ele, a filha se torna violenta, quebrando objetos quando está livre. As informações foram publicadas pela jornalista afegã Zahra Joya. 

“Gostaria que minha filha se recuperasse desse sofrimento”, disse a mãe de Robina em entrevista. A família relatou que pediu ajuda ao Talibã, grupo radical que voltou ao poder no país em agosto do ano passado, e a organizações não governamentais para obter um tratamento adequado. 

Continua após a publicidade

A segunda garota se chama Asiya, de 18 anos. De acordo com seus familiares, Asiya sofre do mesmo distúrbio neurológico, também sendo posta dentro de uma gaiola. O pai diz que a mantém presa quando ela se torna violenta.

Ambas já foram levadas a hospitais para acompanhamento médico, mas os tratamentos não se mostraram adequados. A família de Asiya foi orientada a buscar novos tratamentos no Paquistão ou na Índia, mas não pode arcar com os custos. 

Segundo um entrevistado pela jornalista, as jovens sofrem de um tipo de esquizofrenia que pode ser parcialmente curado.

Veja Também