Terça-feira, 07 de fevereiro de 2023

Conversa com Zelenskiy é possível, mas negociações pararam, diz governo da Rússia

Para a Rússia, conversa deve ser preparada com antecedência.

Postado em: 01-06-2022 às 10h13
Por: Luan Monteiro
Para a Rússia, conversa deve ser preparada com antecedência. | Foto: Reprodução

A Rússia disse, nesta quarta-feira (1º/6), que não descarta uma reunião entre os presidentes Vladimir Putin e Volodymyr Zelenskiy, da Ucrânia, mas que qualquer conversa desse tipo deve ser preparada com antecedência.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou a repórteres, em teleconferência, que o trabalho em um acordo de paz com a Ucrânia parou há muito tempo e não foi retomado. 

Peskov disse ainda que as pessoas, nas regiões ucranianas de Kherson, Zaporizhzhia e Donbashhia, ocupadas pela Rússia, devem decidir seu próprio futuro, e o Kremlin não duvida que eles tomarão a “melhor decisão”. A Ucrânia afirmou anteriormente que a anexação das regiões pela Rússia colocaria fim às conversações de paz entre os dois lados.

Continua após a publicidade

Kremlin

O Kremlin disse ainda que o mundo pode estar à beira de grande crise alimentar, culpando as “restrições ilegais” impostas à Rússia pelos países ocidentais e as decisões das autoridades ucranianas.

Mais de três meses desde que invadiu a Ucrânia, a Rússia tomou grande parte da costa do país vizinho e está bloqueando seus portos, mas tenta atribuir a culpa da falta de embarque de grãos às sanções ocidentais e a Kiev.

“Estamos potencialmente à beira de uma crise alimentar muito profunda, ligada à introdução de restrições ilegais contra nós e às ações das autoridades ucranianas. Colocaram minas (explosivas) no caminho para o Mar Negro e não estão embarcando grãos de lá, apesar de a Rússia não impedir de forma alguma”, disse Peskov. 

Zelenskiy

Nessa terça-feira (31), o presidente ucraniano saudou o sexto pacote de sanções da União Europeia contra a Rússia, mas criticou o que chama de atraso “inaceitável” no acordo do bloco sobre as últimas medidas.

“Quando já se passaram mais de 50 dias entre o 5º e o 6º pacote de sanções, a situação não é aceitável para nós”, afirmou Zelenskiy, falando ao lado da presidente da Eslováquia, Zuzana Caputova, em Kiev.

Com informações da Agência Reuters.

Veja Também