‘Humanidade está a um erro de cálculo da aniquilação nuclear’, diz secretário-geral da ONU

Ele afirma que esse risco não existia desde o auge da Guerra Fria

Postado em: 01-08-2022 às 18h38
Por: Ana Bárbara Quêtto
Ele afirma que esse risco não existia desde o auge da Guerra Fria | Foto: Reprodução

A humanidade está a “um erro de cálculo da aniquilação nuclear”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres. O secretário falou na abertura da conferência dos 191 países signatários do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP), nesta segunda-feira (1/8).

Ele afirma que esse risco não existia desde o auge da Guerra Fria. “Tivemos uma sorte extraordinária até agora. Mas a sorte não é estratégia nem escudo para impedir que as tensões geopolíticas degenerem em conflito nuclear”, declarou.

“Hoje, a humanidade está a um equívoco, a um erro de cálculo da aniquilação nuclear”, advertiu, ao carecer que o mundo se desfaça “de suas armas nucleares”.

Continua após a publicidade

10ª Conferência do TNP

A 10ª conferência de análise do TNP tem sido adiada desde o início de 2020, devido à pandemia de Covid-19. Ainda em seu discurso, Guterres explica que a reunião é uma “oportunidade para reforçar este tratado e adequá-lo ao mundo de hoje”.

“Eliminar as armas nucleares é a única garantia de que nunca serão utilizadas”, ressalta. O secretário espera que o uso da arma nuclear não se recorra e que também sejam adotados “novos compromissos” para reduzir o arsenal.

Leia também: Grupo é multado em mais de R$ 200 mil por desmatar área de preservação ambiental para plantar mandioca

António também revela que, em alguns dias, irá visitar Hiroshima, na data que marca o bombardeio nuclear. “Cerca de 13 mil armas nucleares estão nos arsenais do mundo em um momento em que os riscos de proliferação aumentam e as salvaguardas para prevenir esta escalada se enfraquecem”, reafirmou.

Com isso, ele, então, mencionou as crises no Oriente Médio e na península da Coreia, além da invasão russa da Ucrânia. Durante a última conferência, que ocorreu em 2015, as partes envolvidas não conseguiram chegar a um acordo sobre as questões de fundo.

Veja Também