Planeta registra 3 milhões de mortes por Covid-19

Pandemia ainda está em fase crítica na América do Sul, que colabora para que o número de óbitos continue crescendo rapidamente | Foto: Jonathan Alpeyrie

Postado em: 18-04-2021 às 10h05
Por: Carlos Nathan Sampaio
Pandemia ainda está em fase crítica na América do Sul, que colabora para que o número de óbitos continue crescendo rapidamente | Foto: Jonathan Alpeyrie

Da redação

O planeta registrou, neste sábado (17/02), à marca de 3 milhões de mortes causadas pela Covid-19. O triste dado se deu em meio à piora da pandemia na América do Sul, principalmente no Brasil, e também pela aceleração no número de óbitos na Ásia.

De acordo com o G1, mesmo com milhões de vacinas aplicados mundo à fora, foram 263 dias para atingir o primeiro milhão de vítimas da Covid, 108 dias para chegar aos 2 milhões de óbitos e apenas 93 dias para registrar mais um milhão de vítimas. Os números são do “Our World in Data”, projeto ligado à Universidade de Oxford, e da Universidade Johns Hopkins.

Continua após a publicidade

O primeiro milhão de mortes foi marcado por uma forte onda na Europa, entre março e abril, que assustou o mundo e levou os países a adotarem severas medidas de restrição e a diminuir o impacto da proliferação do vírus. O segundo milhão de vítimas veio pela aceleração do número de óbitos ainda na Europa, mas no mundo todo como um geral, impulsionada pela variante britânica no Reino Unido a partir de dezembro, e também nos EUA, o que levou o mundo a atingir o recorde de mortes diárias.

Já o terceiro milhão foi marcado por uma forte queda no número de mortes tanto nos EUA (com a aceleração da vacinação) quanto na Europa (após meses de pesadas medidas de restrição).

No Brasil

O Brasil registrou oficialmente 2.929 mortes ligadas à covid-19 neste sábado, segundo dados divulgados pelo Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass). Também foram confirmados 67.636 novos casos da doença. Com isso, o total de infecções no país chega a 13.900.091, e os óbitos somam agora 371.678.Diversas autoridades e instituições de saúde alertam, contudo, que os números reais devem ser ainda maiores, em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação.

Os números divulgados nos fins de semana também costumam ser mais baixos, uma vez que as equipes responsáveis pela notificação trabalham em escala reduzida. O Conass não divulga número de recuperados. Segundo o Ministério da Saúde, 12.298.863 pacientes haviam se recuperado da doença até a noite de sexta-feira.

Com os dados de óbitos registrados neste sábado, a taxa de mortalidade por grupo de 100 mil habitantes subiu para 176,9 no país, a 13ª maior do mundo, se excluído o país nanico San Marino.Em números absolutos, o Brasil é o segundo país do mundo com mais mortes, atrás apenas dos Estados Unidos, que somam mais de 566 mil óbitos. É ainda o terceiro país com mais casos confirmados, depois de EUA (31,6 milhões) e Índia (14,5 milhões). 

Veja Também