Educação financeira é um caminho a ser trilhado 

A saúde financeira do brasileiro tem sido um tema recorrente nos veículos de mídia especializados e nas redes sociais

Postado em: 15-07-2022 às 09h26
Por: Redação
A saúde financeira do brasileiro tem sido um tema recorrente nos veículos de mídia especializados e nas redes sociais | Foto: Reprodução

Tatiana Schuchovsky Reichmann

A saúde financeira do brasileiro tem sido um tema recorrente nos veículos de mídia especializados e nas redes sociais. E não é à toa, já que esse é um indicador importante, diretamente ligado à qualidade de vida das pessoas. Saber lidar com o próprio dinheiro é necessário para fazer escolhas mais conscientes, permitindo não apenas estar em dia com os pagamentos, o que garante segurança e bem-estar social, mas também a concretização de projetos que dependem de aporte financeiro, como a compra de um imóvel ou a realização de uma viagem internacional.  

Ainda que o Brasil esteja longe de ter uma população plenamente consciente quando o assunto é dinheiro, o tema já chegou ao debate público e, aos poucos, vamos quebrando barreiras culturais na expectativa de que as gerações futuras possam lidar de forma mais consciente com suas finanças pessoais.  

Continua após a publicidade

O primeiro passo é permitir que as pessoas estejam cada vez mais longe do fantasma da inadimplência – hoje, são quase 65 milhões de brasileiros com dívidas, de acordo com o último levantamento do Serasa – e tenham condições de realizar seus desejos materiais: das festas às viagens, dos veículos até a tão sonhada casa própria.  

O pulo do gato está em entender conceitos e riscos, de forma a despertar a vontade de ter uma vida financeira mais saudável. Muito do que se aprende com educação financeira está intimamente ligado a uma mudança de comportamento. Por isso, começar a tratar do tema cedo, antes mesmo da vida adulta, pode trazer resultados ainda melhores.  

O Programa Internacional de Avaliação de Estudantes, o Pisa, que avalia a cada três anos conhecimentos gerais entre estudantes com 15 anos de idade, dá uma ideia do cenário atual. Dentre os temas avaliados está a competência financeira desses jovens, que é classificada em um ranking internacional entre os 20 países participantes.  

O último relatório, de 2018, demonstra que, apesar de o Brasil ainda estar abaixo da média geral entre os países analisados, houve uma melhora considerável em comparação à avaliação de 2015. Nossa média passou de 393 para 420, enquanto a média geral é de 505, em 2010. Ficamos em 17º lugar na categoria letramento financeiro em 2018, mas, anteriormente, tivemos a pior performance entre todos os países analisados. 

Outro levantamento, dessa vez do Banco Central, mostra a mesma tendência. De acordo com o Relatório da Cidadania Financeira de 2021, o índice de educação financeira brasileira também teve uma tímida, mas ainda relevante, melhora: fomos de 36,6 pontos em 2017 para 37,2 em 2020. O valor máximo do indicador é de 100 pontos. 

Acompanhando a nova jornada do brasileiro em procurar ferramentas para guardar e multiplicar seu dinheiro, o mercado de consórcios vem apontando crescimento. De acordo com a Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios, a Abac, no comparativo entre o primeiro trimestre deste ano e o mesmo período do ano passado, o setor teve um aumento de 7,7% no número de participantes ativos, totalizando 8,54 milhões de brasileiros. Como funciona como uma “poupança programada”, a modalidade é ideal para aqueles que não têm disciplina para guardar dinheiro, considerando que o dono da cota assume o compromisso de pagar parcelas mensais que serão revertidas em patrimônio no futuro. 

Tivemos gerações e gerações de pessoas que não receberam noções de educação financeira e aprenderam a lidar com suas finanças na base da tentativa e do erro. A tendência para o brasileiro é que, cada vez mais, tendo recursos disponíveis para tal, procure informações e ferramentas que permitam não só que ele “fique no azul”, mas que também realize seus planos materiais, mesmo em momentos em que condições econômicas pessoais e do país não estejam favoráveis.  

Tatiana Schuchovsky Reichmann é diretora executiva de administradora de consórcio em créditos ativos e imobiliário

Veja Também