Candidatura de Iris pode ser impugnada

Representação proposta por Delegado Waldir questiona a escolha de Major Araújo como vice fora do prazo legal

Postado em: 02-09-2016 às 06h00
Por: Sheyla Sousa
Representação proposta por Delegado Waldir questiona a escolha de Major Araújo como vice fora do prazo legal

Uma ação movida pelo departamento jurídico do candidato Delegado Waldir (PR) pode impugnar a chapa encabeçada por Iris Rezende (PMDB) e Major Araújo (PRP). A alegação é de que o Partido Republicano Progressista (PRP) teria indicado Araújo como vice do peemedebista fora do prazo legal. De acordo com a iniciativa do staff do republicano, a irregularidade pode ser comprovada pela ata enviada pela coligação de Iris ao Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE-GO).
Instado a se manifestar sobre o pedido, o Ministério Público de Goiás (MPGO) considerou que o mesmo é procedente. O promotor eleitoral Alexandre Mendes, em seu parecer, considera que a documentação e notícias acerca da chapa Iris prefeito e Major Araújo vice indicam que a escolha foi feita fora do prazo legal das convenções partidárias – de 20 de julho a 5 de agosto. Não há um prazo para que a Justiça Eleitoral decida se aceita ou recusa a ação.
Iris Rezende assumiu a candidatura à Prefeitura de Goiânia no último dia legal para a escolha das candidaturas as eleições desse ano. O peemedebista, que chegou a desistir da disputa, decidiu reavaliar sua decisão. Além do PRP e do DEM, que articularam alianças em todo o estado, também anunciaram apoio ao ex-prefeito o PDT, PRTB e PTC.
De acordo com o advogado Rosemberg Prado, não há nenhuma irregularidade nas atas, que segundo ele, estão de acordo com a legislação. Prado ressalta que a coligação de Waldir não tem competência para contestar a chapa de Iris, o que poderia ser feito somente pelos convencionais da aliança ou membros do PRP, caso avaliassem desvio de propósito da deliberação partidária.
O advogado também critica o posicionamento de Mendes. “Ele exorbitou o que reza a legislação, tolhendo o direito da coligação, por exemplo, substituir os candidatos caso fossem indeferidos. Acreditamos que a Justiça acolherá a nossa defesa”. O promotor não quis posicionar-se.

Repercussão
Procurado por O HOJE, Iris refuta as acusações. “Não há nada irregular, apenas uma questão de interpretação de adversário. Isso não me preocupa e tenho confiança no trabalho da equipe e dos partidos coligados realizaram nas convenções e ainda no trabalho da Justiça, que existe justamente para evitar distorções e más interpretações”.
Sobre o pedido, a reportagem tentou contato com o republicano, que disse que não vai se posicionar sobre o caso até o julgamento da liminar.  Os advogados da coligação liderada por Waldir acreditam que a ação será julgada até sábado.

Veja Também