Futuro de Cunha é decidido hoje

Após quase um ano entre idas e vindas, o futuro do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) será decidido hoje por seus colegas. O

Postado em: 12-09-2016 às 06h00
Por: Sheyla Sousa

Após quase um ano entre idas e vindas, o futuro do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) será decidido hoje por seus colegas. O peemedebista poderá perder o mandato caso a metade mais um da Câmara dos Deputados – 257 deputados – vote a favor do processo de cassação  por quebra do decoro parlamentar iniciado no Conselho de Ética da Casa e sucessivamente postergado por manobras regimentais de aliados de Cunha. 
Oito legendas se posicionaram oficialmente a favor da cassação. São elas: PCdoB, PDT, PPS, PSB, PSDB, Psol, PT e Rede. Outros dois partidos – PSD e PRB – também são favoráveis à punição do deputado fluminense, mas ainda não se posicionaram. Por outro lado o PTB, PP, Solidariedade e parte do PMDB votarão pela manutenção do mandato do ex-presidente da Casa.
O atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que só pretende colocar o parecer do Conselho de Ética em votação se estiverem em plenário pelo menos 420 deputados. Para obrigar os parlamentares a estar em Brasília, Maia proibiu viagens em missão oficial no exterior e determinou corte de salário para quem não comparecer.
De acordo com enquete divulgada na semana passada pelo jornal  O Globo, 231 deputados declararam que apoiam a cassação. Apenas três – Carlos Marun (PMDB-MS), João Carlos Bacelar (PR-BA) e Arthur Lira (PP-AL) – disseram que votarão contra a punição ao companheiro, enquanto outros 243 não responderam. 
Parlamentares de vários partidos e ideologias acreditam que, apesar das tentativas, dificilmente Eduardo Cunha escapará da cassação. Outros pontuam que o deputado fluminense perdeu o timing ao permanecer como presidente da Câmara, quando já não apresentava legitimidade para tal. 

Manobras
A chamada “tropa de choque” do deputado fluminense vai utilizar as brechas no regimento interno da Casa e do Conselho de Ética para tentar suspender a votação. Os defensores de Cunha já identificaram pelo menos seis artigos dos dois regimentos que obrigariam o reinício de todo o processo aberto em novembro do ano passado ou a definição de uma pena alternativa ao parlamentar.
Ao mesmo tempo, Marun apresentará uma emenda ao projeto de resolução do Conselho de Ética que prevê a cassação de Cunha, propondo uma pena alternativa – sugerem a suspensão do mandato do peemedebista fluminense de três ou seis meses.  Para ser colocada em votação, a iniciativa precisa ter apoio de um terço dos parlamentares presentes. 

Goianos
Pelo menos dez dos 17 deputados goianos na Câmara dos Deputados deve votar em peso a favor da perda do mandato de Eduardo Cunha. Ainda de acordo com a apuração de O  Globo, cinco deputados – entre eles Jovair Arantes (PTB), da tropa de choque de Cunha – preferiram não se posicionar. João Campos (PRB) e Flávia Morais (PDT) poderão se ausentar da sessão.

Veja Também