Governo federal recusou vacina da Pfizer por metade do preço pago por EUA e União Europeia

Postado em: 07-06-2021 às 13h08
Por: Luan Monteiro
Ambos pagaram US$ 20 por dose; contrato oferecido ao Brasil consistia em 70 milhões de doses à US$ 10 cada | Foto: Reprodução

O governo federal recusou vacinas da Pfizer por metade do preço pago pelos Estados Unidos (EUA) e União Europeia (UE). A farmacêutica ofereceu 70 milhões de doses de imunizantes ao Brasil por US$ 10 cada, EUA e EU pagaram US$ 20 por dose de vacina.

Segundo o vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), o presidente Jair Bolsonaro (Sem partido), teria ignorado 53 e-mails da Pfizer com ofertas de imunizantes. A empresa previa a entrega de doses a partir de dezembro de 2020.

O valor do contrato oferecido pela Pfizer é equivalente a 10% do auxílio emergencial pago em 2020 e é menos do que os R$ 44 bilhões previstos para a extensão do auxílio em 2021.

Segundo informações do jornal A Folha de S.Paulo, o país poderia ter evitado ao menos 5 mil mortes em decorrência do novo coronavírus caso a primeira oferta da Pfizer tivesse sido aceita pelo governo federal. “O cálculo estima que 14 mil óbitos poderiam ter deixado de ocorrer considerando uma margem de erro que varia de 5.000 a 25 mil óbitos, chamado intervalo de confiança, caso essas doses tivessem sido adquiridas”, diz a reportagem.

À CPI, o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello qualificou a proposta da Pfizer como “agressiva”, apontou entraves em cláusulas do contrato e disse ter considerado muito elevado o preço de US$ 10 por dose. O valor foi acatado meses depois, ainda na gestão de Pazuello, mas, por conta da demora, as primeiras doses dos imunizantes da farmacêutica só começaram a chegar em abril deste ano.

Compartilhe: