Cirurgia de Policarpo deve adiar discussão sobre projetos polêmicos

Vereador precisou operar o quadril e não presidirá as sessões ordinárias desta semana

Postado em: 06-10-2021 às 09h26
Por: Felipe Cardoso
Vereador precisou operar o quadril e não presidirá as sessões ordinárias desta semana | Foto: Reprodução

Conforme mostrado com exclusividade pelo jornal O Hoje, o presidente da Câmara Municipal de Goiânia, Romário Policarpo (Patriota), passará a semana afastado de suas funções do Legislativo. Isso porque o vereador precisou ser submetido a um procedimento cirúrgico na noite da última segunda-feira, (04/10). 

A informação foi confirmada pela própria Câmara Municipal que disse que Policarpo não presidirá as sessões ordinárias desta terça, quarta e quinta-feira. “O atestado médico relativo ao procedimento será encaminhado à Diretoria Legislativa da Câmara”, acrescenta o comunicado.

Conforme informações da assessoria do presidente, a cirurgia foi realizada para uma correção de um problema no quadril. Policarpo, segundo os colegas mais próximos, se queixava frequentemente de dores ao correr ou caminhar rapidamente. 

Continua após a publicidade

Nos bastidores, o comentário era de que Policarpo havia ‘desaparecido’ rapidamente sem dar maiores detalhes sobre o procedimento cirúrgico ao qual seria submetido. A reportagem manteve contato com diversos vereadores que comentaram sobre o assunto. Enquanto alguns associavam o procedimento à uma “intervenção no fêmur”, outros falavam sobre uma correção no “joelho”. Há, inclusive, quem acredite que Policarpo tenha feito “uma lipo”.

“Ele se recupera bem”, diz um dos colegas de Parlamento que manteve contato com a companheira de Policarpo durante a manhã de ontem. Conforme repassado à reportagem do O Hoje, o parlamentar permaneceu sonolento logo após a cirurgia, porém se manteve acordado. 

Policarpo recebeu alta ainda na manhã da última terça e foi levado, em seguida, para casa. A reportagem tentou contato com o parlamentar, mas ainda não obteve retorno. 

Futuro próximo 

Com o afastamento de Policarpo, a discussão de matérias importantes deverão ser ligeiramente adiadas. Dentre elas, a de maior peso para os vereadores seria a reforma administrativa dos gabinetes. O texto, avaliado como algo de interesse comum entre os parlamentares, garantiria à Câmara uma nova proposta de contratação e remuneração de seus servidores comissionados. 

A expectativa é que a reforma siga os moldes do modelo já estabelecido pela Assembleia Legislativa de Goiás. Porém, conforme declarado pelo presidente à imprensa local, a proposta segue sob estudo e ainda sem data para ser deliberada. 

Outra proposta que segue na mira do Legislativo diz respeito à implementação do ponto biométrico. A propositura, deverá ser submetida à apreciação dos parlamentares em plenário nas próximas semanas. Trata-se de um compromisso da Mesa Diretora assumido logo após a reportagem do jornal O Hoje revelar a presença de funcionários  fantasmas e esquema de rachadinha no gabinete do vereador Célio Silva (PTC). Os servidores denunciados estariam supostamente ligados ao secretário de Desenvolvimento e Economia Criativa da capital, Paulo Henrique da Farmácia (PTC). 

Como resposta à sequência de revelações, há duas semanas a Câmara assegurou que o ponto biométrico seria discutido, o que até o momento não aconteceu. Em entrevista à imprensa local, o presidente assegurou que um setor específico do Legislativo tem cuidado das “regras” a que esse sistema será submetido. Policarpo ainda acrescentou não ser a Mesa a responsável por essas definições. A expectativa era que a matéria pudesse começar a ser discutida já nesta semana, contudo, ao que tudo indica o assunto também ficará para a próxima.  

Depois da turbulência

A cirurgia de Policarpo vem logo após a decisão de pautas caras ao Parlamento. Dentre elas, o Código Tributário de Goiânia, aprovado no último dia 29 pela Casa de Leis. A matéria, conforme mostrado pelo O Hoje, tramitou sob alvo de inúmeras polêmicas, haja vista o prazo apertado para apreciação do texto por parte dos parlamentares — a proposta chegou a exatos 20 dias para a aprovação em definitivo, o que levaria o texto, consequentemente, a vigorar já no ano de 2022.

Outra matéria importante a passar no dia seguinte à aprovação do Código na Casa de Leis, dizia respeito à antecipação da eleição da mesa diretora. Em sessão extraordinária, os parlamentares decidiram pela recondução de Policarpo e toda a mesa diretora do Legislativo municipal para o biênio de 2023-2024. 

A recondução do grupo foi acatada por 34 dos 35 parlamentares. Apenas Lucas Kitão (PSL) foi contra a medida. Conforme mostrado pela reportagem, Kitão contestava a “manobra” tida por ele como “totalmente ilegal”. Prova disso é que Kitão chegou a judicializar a antecipação da eleição, mas a justiça não acatou seu pedido. 

Apesar de Policarpo ter declarado à imprensa que a recondução de seu grupo à presidência nada tem a ver com a aprovação do Código Tributário. Há, nos bastidores, quem enxergue uma moeda de troca entre a aprovação de ambas as matérias de interesse mútuo para o Legislativo e Executivo.

Veja Também