“Mulheres só menstruam se Bolsonaro deixar”, ironiza Eduardo

Em publicação no Twitter contra Tabata Amaral, filho do presidente cometeu pelo menos duas fake news

Postado em: 10-10-2021 às 14h41
Por: Marcelo Mariano
Em publicação no Twitter contra Tabata Amaral, filho do presidente cometeu pelo menos duas fake news | Foto: Reprodução

Um dos filhos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) usou o Twitter para ironizar o veto de seu pai à distribuição gratuita de absorventes a mulheres em situação de vulnerabilidade.

“Agora mulheres só menstruam se o Bolsonaro deixar”, ironizou o parlamentar em resposta a uma publicação da deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP) com a hashtag #LivreParaMenstruar e os dizeres “Bolsonaro, me deixe menstruar”.

Eduardo tentou justificar o veto: “Essa aquisição passaria por licitação que compraria o mais barato (e em tese de pior qualidade). Assim, é melhor aos mais humildes receber esse dinheiro em forma de benefício assistencial e deixá-los escolher”.

Continua após a publicidade

A postagem do filho de Bolsonaro contém uma informação falsa. Nela, Tabata aparece como a autora do projeto de lei, mas, na verdade, ele foi proposto pela deputada federal Marília Arraes (PT-PE).

Além disso, Bolsonaro escreveu outra fake news, ainda em referência a Tabara. “A deputada agindo desta maneira quase infantil mais parece querer atender ao lobby de seu mentor-patrocinador Jorge Paulo Lemann, um dos donos da produtora de absorventes P&G, do que realmente conseguir um benefício ao público”, disse. Contudo, Jorge Paulo Lemann não é um dos donos da P&G.

Veja Também