Lista dos políticos que receberam bilhões pelo orçamento secreto conta com o nome de 12 goianos

Postado em: 20-12-2021 às 19h11
Por: Carlos Nathan Sampaio
Informações foram dadas pelo jornal O Globo e contam com o nome de 10 deputados federais e dois senadores | Foto: reprodução

Uma lista com o nome de 290 parlamentares foi divulgada nesta segunda-feira (20/12) pelo jornal O Globo. Os nomes dos envolvidos se refere ao orçamento secreto, que está reforçando – comprando, no português claro – aliados para estes últimos dois anos do presidente Jair Bolsonaro (PL), que deve ser candidato a reeleição em 2022. Para deixar mais claro, os 290 nomes representam a quase metade dos parlamentares que integram Câmara Federal e Senado. Dentro disso, há o nome de 12 goianos, dez deputados e 2 senadores.

Dos goianos, na ordem em que mais recebeu dinheiro, estariam Jose Nelto (Podemos), Luiz do Carmo (MDB), Vanderlan Cardoso (PSD), Major Vitor Hugo (PSL), Célio Silveira (PSDB), João Campos (Republicanos), Dr. Zacharias Calil (DEM), José Mario Schreiner (DEM), Adriano do Baldy (Progressistas), Delegado Waldir (PSL), Francisco Jr (PSD) e professor Alcides (Progressistas). Uma das surpresas dessa lista é o do Delgado Waldir, que chegou a denunciar sobre a manobra do orçamento secreto e afirmado que não teria feito parte do esquema.

O levantamento ainda não possui todos os dados disponíveis, pois isso deve ocorrer até março de 2022, mas as informações já trazem que se trata de recursos distribuídos pelo país sem transparência. Os valores rastreados, segundo o portal, foram empenhados em 2020 e 2021 e chegam a R$ 3,2 bilhões, uma amostra dos R$ 36 bilhões que compuseram as emendas no período.

Ainda de acordo com o texto do O Globo, essa “radiografia” expõe a desigualdade provocada pelo orçamento secreto nos estados e revela como caciques do ‘Centrão’ ou fiéis aliados do governo Bolsonaro foram privilegiados com o mecanismo, elaborado de uma maneira que dificulta a fiscalização.

Em relação aos demais parlamentares, um dos políticos mais agraciados é o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), que, em 2020, detinha o controle de boa parte da destinação da verba, porque presidia o Senado e mantinha uma relação de proximidade com o Planalto. “Foi graças ao parlamentar que o Amapá recebeu a alocação de ao menos R$ 335,9 milhões, um feito inédito. O segundo reduto com maior aporte é a Bahia, com R$ 302,2 milhões — o deputado João Carlos Barcelar (PL-BA) lidera a lista de indicações”, diz a matéria do O Globo.

As informações divulgadas trazem, também, que dentre os partidos, o PSD foi a sigla que mais recebeu aporte, com R$ 619 milhões. DEM e o MDB são respectivamente segundo e terceiro no ranking, com R$ 519 milhões para o primeiro e R$518 milhões para o segundo partido. Em breve, mas informações devem ser divulgadas. A reportagem também tentou entrar em contato com todos os parlamentares, mas até agora nenhum deu retorno sobre o assunto.

Compartilhe: