Queiroga erra e aponta 4 mil mortes por causa das vacinas; Vigilância relata apenas 11 óbitos

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou na última segunda-feira (17/1) que há 4.000 óbitos comprovadamente relacionados à vacinação contra a Covid-19,

Postado em: 18-01-2022 às 12h53
Por: Igor Afonso
Após admitir o erro, Queiroga não quis divulgar o número oficial de mortes relacionadas com as vacinas contra a Covid-19 | Foto: Divulgação

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou na última segunda-feira (17/1) que há 4.000 óbitos comprovadamente relacionados à vacinação contra a Covid-19, porém os dados se chocam com as informações oficiais da pasta.

O último boletim epidemiológico com dados compilados da pandemia, desde o início até o mês de outubro de 2021, apontava 11 mortes “tendo como relação causal com as vacinas”.

Quando questionado, Queiroga repetiu o erro e disse que há 3.935 óbitos e, mais tarde, quando questionado novamente sobre os dados, o ministro reconheceu que a informação estava errada e disse que são casos em investigação. Entretanto, o ministro não quis divulgar os dados mais atuais do Ministério da Saúde sobre a investigação de reações adversas das vacinas da Covid-19.

Continua após a publicidade

O titular da Saúde deu a declaração com dados incorretos em um programa da Jovem Pan, quando questionado por uma comentarista da emissora sobre o sofrimento de “inúmeras famílias vítimas dos efeitos adversos das vacinas”. Queiroga afirmou então que “temos na Secretaria de Vigilância em Saúde registrado 1,7 óbito por cada 100 mil doses aplicadas. Isso perfaz cerca de 4.000 óbitos onde há comprovação de relação causal com a aplicação da vacina”.

Até o momento da publicação desta matéria, o ministro não se manifestou sobre o erro e nem divulgou o número correto de mortes que tenham relação com efeitos colaterais das vacinas. Informação apurada pela Folha de São Paulo, aponta que o Ministério considera 13 óbitos relacionados às vacinas.

Veja Também