Com 25 votos a favor, Câmara Municipal aprova novo Plano Diretor da capital

A aprovação veio após reunião na última quarta-feira (2/3) do presidente da Câmara Municipal junto ao prefeito, Rogério Cruz (Republicanos).

Postado em: 03-02-2022 às 12h18
Por: Redação
A aprovação veio após reunião na última quarta-feira (2/3) do presidente da Câmara Municipal junto ao prefeito, Rogério Cruz (Republicanos) | Foto: Reprodução

Em meio ao clima agitado e troca de farpas entres vereadores, a Câmara Municipal de Goiânia aprovou na manhã desta quinta-feira (3/2) o texto final do novo Plano Diretor da capital. A matéria recebeu votos favoráveis de 25 vereadores, 3 abstenções e apenas seis contrários, sendo eles: Mauro Rubem (PT), Lucas Kitão (PSL), Aava Santiago (PSDB), Anderson Sales Bokão (DEM), Santana Gomes (PRTB) e Marlon (Cidadania).

A aprovação veio após reunião na última quarta-feira (2/3) do presidente da Câmara Municipal, Romário Policarpo (Patriota) junto ao prefeito, Rogério Cruz (Republicanos), no Paço Municipal. O acordo ocorreu em meio à crise de imagem enfrentada pelos vereadores quanto ao aumento do IPTU, criticado por boa parte dos contribuintes goianienses.

Conforme noticiado mais cedo, o vereador Mauro Rubem (PT) tentou diversas estratégias para tentar protelar a votação da matéria, mas teve pedido de visto e pelo menos três emendas rejeitadas. Após a aprovação do texto, no final da manhã, o vereador garantiu que irá abrir um mandado de segurança após contra o Plano Diretor.

Continua após a publicidade

Leia também: Mauro Rubem tenta protelar Plano Diretor, mas vereadores derrubam pedido de vista

Também contrária à aprovação apressada do texto, a vereadora Aava Santiago (PSDB) defendeu ser inviável avalizar a matéria “sem acesso aos mapas de alta resolução” da cidade. “Ao contrário do que estão dizendo eles não estão disponíveis”, acrescentou. Os vereadores rejeitaram, em bloco, mais de 14 emendas da parlamentar.

Já o vereador Lucas Kitão (PSL) defendeu no início da sessão que o momento não era oportuno para discussão do tema, não apenas em função do “acordo” firmado com o Paço, mas também pelo clamor social e a condução truculenta do texto no Legislativo.

Com colaboração de Felipe Cardoso

Veja Também