Flávio Bolsonaro assina PEC criticada pela Economia sobre combustíveis e energia elétrica

A PEC foi apelidada de “kamikaze” pelo Ministério da Economia por ser uma proposta explosiva que não apresenta nenhuma medida de compensação fiscal

Postado em: 08-02-2022 às 11h21
Por: Igor Afonso
A PEC foi apelidada de “kamikaze” pelo Ministério da Economia por ser uma proposta explosiva que não apresenta nenhuma medida de compensação fiscal | Foto: Reprodução

O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) assinou nesta segunda-feira (7/2) proposta de emenda à Constituição (PEC) que reduz os tributos incidentes sobre os combustíveis, o gás e a energia elétrica (PEC 1/2022). 

O texto foi proposto pelo senador Carlos Fávaro (PSD-MT), mas por se tratar de uma emenda constitucional, precisa do apoio de um terço dos senadores para poder tramitar. Senadores da base do governo já haviam assinado a proposta, assim como o líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO).

A PEC foi apelidada de “kamikaze” pelo Ministério da Economia por ser uma proposta explosiva que não apresenta nenhuma medida de compensação fiscal. A interpretação de alguns senadores é que a adição da assinatura de Flávio foi uma manifestação de apoio da ala política do Palácio do Planalto que vem batendo de frente com a ala econômica do governo.

Continua após a publicidade

Alguns auxiliares políticos do governo recomendam que Bolsonaro adote medidas para diminuir o preço dos combustíveis às vésperas da campanha à reeleição, enquanto a equipe de Paulo Guedes teme que haja um rombo nas contas públicas no último ano de mandato.

Veja Também