Homenagem a ex-prefeito Iris Rezende vira polêmica na Câmara Municipal de Goiânia

Vereador que votou contra alega que faltou diálogo com empresários da região e baixo assinado

Postado em: 17-02-2022 às 08h40
Por: Stéfany Fonseca
Vereador que votou contra alega que faltou diálogo com empresários da região e baixo assinado | Foto: Reprodução

Homenagear o ex-prefeito Iris Rezende virou tarefa difícil na Câmara Municipal de Goiânia. Além da polêmica causada com a troca do nome do Aeroporto Internacional de Goiânia, de Santa Genoveva para Iris Rezende, em homenagem ao ex-prefeito, inúmeras propostas de alterações de nomes de ruas e avenidas para receber o nome do político estão sendo questionadas no Legislativo Municipal. A primeira proposta apresentada foi alterar o nome da Avenida Anhanguera.

Em entrevista ao O Hoje, o vereador Pedro Azulão Jr. (PSB), garantiu entrar na justiça caso o veto no projeto, que prevê alterar o nome da Avenida Castelo Branco para Avenida Iris Rezende Machado seja aprovado.

Durante a CCJ de quarta-feira (16/2), com apenas um voto contrário do vereador Azulão, a derrubada do veto do prefeito Rogério Cruz (Republicanos) foi aprovada. O projeto foi apresentado pelo vereador Clécio Alves (MDB). “Este é um projeto de autoria deste poder, de 32 vereadores, que não faz sentido algum ter sido retirado”, comentou.

Continua após a publicidade

Insatisfeito com o projeto, Azulão disse não ter nada contra o ex-prefeito, a questão segundo ele, é a falta de documentação como um baixo assinado, por exemplo, e o gasto que o projeto vai gerar aos comerciantes da Avenida Castello Branco. “Eles se declararam contra a proposta devido ao custo. Causa transtorno a mudança, os comerciantes são contra, vai gerar um gasto de quatro a cinco mil reais a mudança”, esclareceu.

Em janeiro, Rogério Cruz vetou o projeto devido à orientação da Procuradoria Geral do Município. O prefeito argumenta que a homenagem a Iris é justa, mas ouviu a PGM, que se manifestou pelo veto integral da proposta.

A PGM explica que a mudança no nome de vias públicas só pode ser feita com a aprovação da maioria dos moradores da região e, como não há esta manifestação dos moradores da Avenida Castelo Branco, não é possível mudar o nome da via.

Segundo Clécio, a sugestão pela troca do nome da Avenida foi inspirada no protagonismo político de Iris durante sua vida pública. “Hoje a Avenida traz o nome de um algoz ditador e isso pra mim é inaceitável. Precisamos mudar a nossa história”, concluiu o emedebista.

O veto foi alvo de críticas da filha de Iris, Ana Paula Craveiro. Ela diz não entender essa decisão do prefeito. Ela usou as redes sociais para agradecer os vereadores que votaram pela derrubada do veto.

Confusão

Após toda repercussão do projeto, o clima pegou fogo nesta quarta-feira (16/2), durante a derrubada do veto. Os vereadores Clécio Alves (MDB) e Pedro Azulão Jr. (PSB) se desentenderam ao comentarem a trajetória política do ex-prefeito da Capital, Iris Rezende.

A confusão iniciou quando Pedro Azulão decidiu contestar o projeto de lei, que substitui o nome da Avenida Castelo Branco por Avenida Iris Rezende Machado, em homenagem ao falecido.

Ao repudiar a iniciativa, o vereador disse que Rezende teve suas contas reprovadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), foi quando Clécio o rebateu dizendo que quem, na verdade, teve os gastos reprovados foi o ex-prefeito Paulo Garcia (PT).

Veja Também