Deputados voltam ao trabalho em prédio da Assembleia ainda inacabado

Obras seguem a todo vapor para que setores administrativos sejam liberados o quanto antes aos servidores

Postado em: 02-03-2022 às 10h44
Por: Raphael Bezerra
Obras seguem a todo vapor para que setores administrativos sejam liberados o quanto antes aos servidores | Foto: Carlos Costa

O prédio que dará lugar à nova sede da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) ainda não está pronto. Mesmo assim, deputados e parte dos servidores do Parlamento retomarão as atividades na próxima quinta-feira (3/2).

A primeira reunião, marcada para às 15h, marcará o início do período legislativo de 2022. Apesar dos parlamentares estrearem o ano de casa nova, como já era previsto ainda na reta final de 2021, boa parte da estrutura segue atrasada. 

Apenas um lado do prédio contará com funcionamento pleno, o outro será ocupado apenas por construtores ao longo dos próximos meses. Regimentalmente, a abertura dos trabalhos do Legislativo se dá no dia 15 de fevereiro, mas nesse ano, o calendário de retomada das sessões foi alterado em virtude do atraso na entrega da obra por parte da empresa responsável, a construtora JL.

Continua após a publicidade

Diante do transtorno, há uma expectativa de que as sessões seguintes sejam realizadas de maneira híbrida. Mas a questão deverá ser votada primeiro em plenário, o que tende a ser feito na própria quinta.  

“Acredito que nesse primeiro encontro todos os deputados estarão presentes para conhecer o plenário, conhecer os gabinetes. Nesse dia, o presidente vai submeter à votação dos deputados a decisão sobre o formato das próximas”, disse o diretor parlamentar Rubens Sardinha em entrevista à Agência de Notícias da Casa.

O novo prédio, batizado como Palácio Maguito Vilela em homenagem ao ex-governador de Goiás que faleceu por complicações da Covid-19, conta com mais de 44 mil metros quadrados.

A promessa é de que a estrutura dê melhores condições para que a população possa participar das discussões das matérias. Sendo assim, a galeria aberta ao público foi ampliada e conta, agora, com uma capacidade para mais de 200 pessoas em plenário. O espaço, que esteve fechado durante o ano passado, será reaberto, no novo prédio, também no dia 3 de março. 

Quando comparado ao prédio anterior, outro detalhe que chama atenção é o estacionamento. A dificuldade para encontrar vagas era uma das principais reclamações de quem visitava a antiga estrutura da Alego — Palácio Alfredo Nasser, na Alameda dos Buritis, Setor Oeste. 

O problema tende a ser solucionado com as mais de mil vagas disponíveis na nova estrutura. Há, inclusive, setores específicos para receber comitivas vindas do interior do estado. 

Quanto ao lado inacabado do prédio, a expectativa do alto escalão da Alego é de que tudo fique pronto até o final do primeiro semestre. Porém, há quem estime que os trabalhos deverão continuar pelo menos até setembro. 

Apesar dos transtornos ainda enfrentados, a mudança para o novo local de trabalho se traduz, para muitos, como a concretização de um sonho antigo. Foram mais de 15 anos de promessas e expectativas, atrasos e descasos. Agora, ainda que apenas uma parcela do prédio será liberada, o sentimento é de que um importante passo foi dado. 

“Achei que isso nunca sairia do papel. Agora já não dá pra recuar, uma vez no novo prédio o resto fica fácil. É igual obra na sua própria casa, você fica agoniado para que aquilo termine logo. Ali será a mesma coisa. Ainda teremos obras, mas a vontade e cobrança para que tudo termine o quanto antes será ainda maior. A parte mais complicada já foi”, disse um servidor de longa data à reportagem.

Veja Também