Em busca de apoio, Gustavo Mendanha e aliados se reúnem com Bolsonaro em Brasília

O encontro teve a presença de deputadas e deputados goianos que buscam consolidar uma chapa de oposição em Goiás.

Postado em: 19-03-2022 às 16h20
Por: Redação
O encontro teve a presença de deputadas e deputados goianos que buscam consolidar uma chapa de oposição em Goiás | Foto: Reprodução/ Arquivo pessoal

O prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha (sem partido), foi recebido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) na manhã deste sábado (19/3), em Brasília, junto a um grupo de deputadas e deputados goianos que buscam consolidar uma chapa de oposição em Goiás. O encontro foi articulado pela deputada federal Magda Moffato (PL) e pelo Professor Alcides (Progressistas).

Estiveram no encontro os deputados estaduais Cláudio Meirelles (Agir), Major Araújo (UB), Zé Carapô (DC), Paulo Cézar Martins (MDB), Paulo Trabalho (UB), o suplente Max Menezes (MDB), o presidente estadual do PL, Flávio Canedo e o senador Luiz do Carmo (sem partido).

“Estamos dialogando pelo desenvolvimento de Goiás. As divergências entre o atual governador e o presidente atrapalharam e muito o crescimento de Goiás. Como pacificador me coloquei à disposição do presidente, com a benção de Deus e do povo goiano, fazer um trabalho conjunto a favor dos goianos”, disse o prefeito ao divulgar o encontro em suas redes sociais.

Continua após a publicidade

Afastamento Bolsonaro x Caiado

A estratégia do prefeito de Aparecida e seus aliados é buscar uma aproximação com Bolsonaro (PL), e explorar a relação abalada do presidente com o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (União Brasil). Aliado de Bolsonaro na campanha eleitoral de 2018, Caiado havia rompido suas relações com Bolsonaro no início da pandemia de Covid-19, quando criticou o posicionamento do presidente frente à doença.

Na ocasião, Caiado alfinetou o chefe de Estado brasileiro, ao comentar suas atitudes com a frase: “Na política e na vida, a ignorância não é uma virtude”. Desde então, o diálogo entre ambos, embora existente, não foi o mesmo do pré-2018.

Além disso, uma possível “benção” de Bolsonaro ainda representaria um forte apelo de Mendanha aos grupos evangélicos de Goiás, majoritariamente aliados ao presidente.

Veja Também