Malafaia pede investigação de pastores para que mais de 200 mil não “tomem lama” por 2

Postado em: 25-03-2022 às 18h38
Por: Augusto Diniz
Em vídeo, líder religioso solicita ação do Ministério Público Federal e da Polícia Federal porque Gilmar Santos e Arilton Moura não podem manchar a imagem de homens sérios que coordenam igrejas no Brasil | Foto: Reprodução/YouTube

Em meio a novas informações que surgem diariamente sobre o suposto envolvimento dos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura na cobrança de propina de prefeitos para intermediar e liberar verbas do Ministério da Educação, o pastor Silas Malafaia pediu em seu canal no YouTube que a Polícia Federal (PT) e o Ministério Público Federal (MPF) investiguem os dois líderes religiosos.

Para Malafaia, a apuração dos fatos se faz necessária para que mais de 200 mil pastores não “tomem lama” por causa de dois líderes religiosos. “Nós, pastores evangélicos, queremos pedir ao Ministério Público Federal e à Polícia Federal: investiguem à fundo. Quebrem o sigilo fiscal, bancário e telefônico desses dois pastores. Vão fazer um favor aos pastores evangélicos do Brasil.”

Em seguida, Malafaia faz ataques ao Partido dos Trabalhadores. “Nós, pastores evangélicos, não somos igual ao PT, que encobre seus ladrões e corruptos, os governos mais corruptos da história política do Brasil, Lula e Dilma. ‘José Dirceu herói do povo brasileiro.’ Quem encobre corruptos é o PT”, disparou o pastor.

Depois de mostrar títulos de matérias de sites de veículos de comunicação sobre a situação da Petrobras, Malafaia afirmou que não vai aceitar “botar pecha em pastores”. “A lama de esquerda e de PT, eles querem pegar e jogar em Bolsonaro”, passou a defender o presidente da República no vídeo.

Assim como a Frente Parlamentar Evangélica no Congresso Nacional, Malafaia começa a defender o presidente Jair Bolsonaro (PL) para tentar blindar o chefe do Executivo, que é apontado por áudio do ministro Milton Ribeiro, da Educação, quem teria dado a ordem para que Gilmar Santos e Arilton Moura fossem atendidos no MEC. “Qual é o crime do presidente? O que ele tem com isso?”, questionou.

Inocência do ministro

Malafaia disse no vídeo que, por enquanto, acredita na inocência do ministro da Educação. E que já havia falado em outras oportunidades que, por ser pastor, Milton Ribeiro não pode ser só honesto, mas precisa parecer honesto. “Achei fraca a argumentação. A coisa é muito séria. […] Não pode sangrar o governo e muito menos pastores evangélicos por causa de dois caras. Investiguem eles. Vão fundo.”

O pastor pede no vídeo para que alguém prove que alguém prove que Bolsonaro tenha algum envolvimento no suposto esquema de propinas no Ministério da Educação. Sobrou até para a imprensa. “Isso é conversa fiada, minha gente. Esse jogo da mídia, que odeia pastores e odeia o presidente, em sua grande maioria, com raras exceções”, acusou os veículos de comunicação Malafaia.

Silas Malafaia termina o vídeo com a seguinte frase: “Deus livre o Brasil de gente corrupta e de gente má”.

Compartilhe: