Deputados decidem pela manutenção das sessões remotas

Apenas 8 parlamentares votaram pelo fim das sessões à distância.

Postado em: 05-05-2022 às 08h54
Por: Felipe Cardoso
Apenas 8 parlamentares votaram pelo fim das sessões à distância | Foto: Reprodução/Valdir Araújo

Os deputados da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) decidiram, na tarde da última quarta-feira (4/5), pela manutenção das sessões híbridas. Diante das constantes reclamações de certos deputados em relação à ausência de alguns colegas em plenário, o presidente da Casa, deputado Lissauer Vieira (PSD), decidiu dar um basta no assunto.

“Somos democráticos e não vou fazer nada aqui sem que a maioria decida. Como essa questão foi levantada aqui ontem [terça-feira, 3], vamos fazer uma votação para entender quem concorda e quem discorda do atual modelo”, disse Vieira antes de submeter o assunto à votação. Ao todo, foram 17 votos pela manutenção do modelo remoto e oito pelo fim.

Durante a discussão do texto, diversos parlamentares pediram a palavra para comentar o assunto. Henrique Arantes (MDB), um dos primeiros a falar, considerou que a modalidade “não funciona”. “Por que disputaram as eleições se não querem vir aqui?”, indagou.

Continua após a publicidade

Na sequência, Humberto Teófilo (Patriota) disparou: “Lamentavelmente temos alguns colegas que depois desse sistema desapareceram. Temos que ser transparentes e não podemos aceitar essa figura que vem se instalando, que é a figura do deputado remoto”.

Já os deputados Cláudio Meirelles (PL) e Álvaro Guimarães (UB), por exemplo, foram na contramão. “A pandemia ainda não acabou. Temos aqui um deputado entre a vida e a morte [Iso Moreira] e com as três doses da vacina no braço. Não é só a Alego que está em regime remoto, o TSE, o STF e o Congresso também. Peço aos colegas que tenham juízo”, disse o primeiro deles.

Veja Também