Caiado conta com apoio de Cruz, mas não do Republicanos

Postado em: 31-05-2022 às 06h15
Por: Felipe Cardoso
Partido, que tende a compor com Mendanha, deve deixar uma tímida parcela de seu capital político para o governador | Foto: Jackson Rodrigues

O prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos), segue firme na missão de apoiar o governador Ronaldo Caiado (UB) em seu projeto de reeleição ao governo. Em declaração recente à Rádio Sagres, o gestor municipal chegou a comentar uma possível conversa entre as lideranças do partido e o governador. A intenção, segundo ele, é de que possam chegar a uma definição do que será melhor para “ambos os grupos”.

Para Rogério, é importante que haja um “acordo” com as chapas de pré-candidatos a deputados estaduais e federais na tentativa de chegar a um denominador comum. “Ainda há muitas águas para rolar e o governador também fará a parte dele”, considerou na mesma entrevista. 

O prefeito já formalizou — precocemente, como consideram algumas autoridades do alto escalão — seu apoio a Caiado. A situação não mudará mesmo que o chefe do Executivo estadual não apoie o candidato do partido ao Senado — o deputado federal João Campos (Republicanos). Apesar da insistência de Cruz em ter a sigla na base governista, muitos não enxergam a decisão como assertiva. 

Acontece que uma ala do Republicanos — majoritária, por sinal — não abre mão do apoio do mandatário a João Campos. Isso pode fazer, na interpretação de fontes consultadas pelo O HOJE, com que o governador tenha Cruz, mas não tenha partido.

Enquanto o Republicanos não abre mão de espaço na ala governista, Campos, por sua vez, demonstra não hesitar em sua candidatura. Recentemente, ele considerou, em entrevista ao O HOJE, que, caso não consiga espaço em algumas das chapas, vai bancar uma candidatura verdadeiramente isolada, ou seja, sem estar vinculado a nenhum postulante ao governo.

Mas esse não parece um destino provável. Isso porque o pré-candidato ao governo e ex-prefeito de Aparecida mira o Republicanos. Especialmente por saber que parte considerável do partido acompanharia Campos e não Rogério. Mendanha também sabe que o federal não teria dificuldade em compor com seu projeto. Até porque Campos já considerou publicamente que, do ponto de vista ideológico, Caiado e Mendanha são ‘mais do mesmo’.

Outro detalhe importante que pode fazer com que Mendanha intensifique sua investida em relação ao partido passa, sobretudo, pelas ações do governador Ronaldo Caiado. Isso porque o mandatário deu um novo passo em sua investida rumo à igreja no último final de semana quando terminou homenageado pelo bispo primaz Manoel Ferreira em um evento nacional das Assembleias de Deus. A expectativa é que mais de 100 pastores anunciem apoio ao governador nos próximos dias. Isso cobra, automaticamente, uma reação do oposicionista. 

A chegada do Republicanos à base medanhista será muito bem-vinda. Especialmente pela baixa quantidade de agregados ao projeto do ex-prefeito de Aparecida.O governador, por sua vez, ‘perderá’ uma parte considerável da ala evangélica, ainda que tenha Cruz ao seu lado. Vale lembrar que para além dos quadros da igreja, o Republicanos recebeu recentemente o político e empresário, Sandro Mabel. 

Ele, apesar de dizer que não postula nenhum cargo político, é um crítico nato do governador e fará o possível para que a composição seja com Mendanha e não com Caiado. Com isso, o lado mais fraco da corda é, sem dúvidas, o de Rogério Cruz, que puxa sozinho em direção oposta a Campos, Jeferson Rodrigues e Mabel. O partido não deve demorar para anunciar sua decisão, que, ao que tudo indica, tende a contrariar a tímida ala caiadista encabeçada pelo prefeito da Capital.

Compartilhe: