Lideranças dizem que Caiado ”não tem 5% da Segurança Pública” ao seu lado

Gestão é bem avaliada nos resultados apresentados ao longo dos últimos três anos, mas oposição atestam que isso não reflete o sentimento dos oficiais

Postado em: 27-06-2022 às 09h04
Por: Felipe Cardoso
Gestão é bem avaliada nos resultados apresentados ao longo dos últimos três anos, mas oposição atestam que isso não reflete o sentimento dos oficiais | Foto: Reprodução

Uma pesquisa recente divulgada pelo Instituto de Opinião e Mercado, FoxMappin, mostrou a gestão do governador Ronaldo Caiado (UB) bem avaliada no quesito Segurança Pública. Porém, o resultado não é sinônimo de uma boa reputação junto às corporações. Isso porque o que se ouve nas ruas, por parte dos agentes das forças de segurança, demonstra que o governador não é tão quisto quanto parece.

Para aferir esse termômetro, não do ponto de vista social, mas político, o jornal O HOJE conversou com representantes da Polícia Civil, Militar e Bombeiros na Câmara Municipal de Goiânia e Assembleia Legislativa. Parlamentares da base e oposição ao governo foram questionados. Os da base também não pouparam críticas, mas, claro, sob a condição de anonimato. 

“Ele acredita que a redução da criminalidade é efeito do governo dele, o que não é verdade. Em todos os Estados houve redução, haja vista a chegada da pandemia que obrigou as pessoas a ficarem em casa. Com todos dentro de casa, o bandido também não tinha como agir da mesma forma. Quando ele fala que a diminuição está associada a este governo, ele está desvalorizando os policiais, que são os mesmos que trabalhavam no governo anterior”, pontuou um dos políticos. 

Continua após a publicidade

Outro, chamou atenção para a “perseguição” de delegados, além da falta de investimentos em equipamentos e estrutura para dar condições ao trabalho das polícias goianas. “Ele não fez concurso público, não trabalhou para preparar as polícias. Hoje, temos viaturas respondendo por quatro ou cinco cidades, por exemplo, o que é inadmissível”.

Também foi relatado por um parlamentar o não pagamento da data-base em seu valor integral. “E como se não bastasse, ele ainda entrou num plano de recuperação fiscal sem necessidade. Isso prejudicou severamente os servidores públicos”. 

Uma outra queixa registrada pela reportagem diz respeito às promoções, concedidas sem o devido ajuste econômico. De acordo com um parlamentar, nos moldes do governo, o policial é promovido apenas no papel, no status. Mas não há, em paralelo, uma adequação salarial compatível com o novo cargo ou função ocupada pelo agente. 

“Ele também não deu integralidade e paridade para várias categorias. “Ele atendeu só a Polícia Civil, as demais categorias estão se sentido desmotivadas e desvalorizadas”, relatou o parlamentar consultado. “Se ele tiver muito, ele tem 5% da Polícia ao seu lado. Só tem os membros do Gabinete Militar, que devem somar uns 200 homens, e alguns outros gatos pingados. O restante, apesar dos bons resultados apresentados, estão todos insatisfeitos”. 

Termômetro 

Em Goiás, e no Brasil, temas como Saúde, Educação, Segurança e Infraestrutura são tidos como pilares de sustentação de qualquer gestão. Por esse motivo são, tradicionalmente, os pontos mais observados no que diz respeito à administração pública. 

Às vésperas do período eleitoral, o que se constata, depois de quase quatro anos de um governo encabeçado por Ronaldo Caiado (UB), é uma resposta positiva das ruas. Pensando em traçar, numericamente, esse diagnóstico, o Instituto de Pesquisa de Opinião e Mercado, FoxMappin, foi à campo entre os dias 28 a 31 de maio para avaliar a percepção dos goianos acerca de cada um desses temas.

Dentre os quatro ‘pilares’ pontuados, o governo é melhor avaliado na Segurança Pública. Isso porque mais da metade da população goiana (53,56%) considerou os últimos três anos ótimos ou bons nesse quesito. Outros 26,67% consideraram regular. 17,47% disseram ter sido ruim ou péssimo. Outros 2,30% não souberam responder ao questionamento. A pesquisa em questão foi divulgada pelo O Hoje no dia 7 de junho.

Veja Também