Com definição de nome do PT ao governo, Marconi fica mais certo no voo solo

Ex-governador também se fortalece com a nulidade dos atos da Cash Delivery, da qual foi alvo em 2018

Postado em: 01-07-2022 às 08h45
Por: Francisco Costa
Ex-governador também se fortalece com a nulidade dos atos da Cash Delivery, da qual foi alvo em 2018 | Foto: Divulgação

O PT de Goiás definiu como pré-candidato ao governo o ex-reitor da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO), professor Wolmir Amado. A escolha encerra a possibilidade do ex-governador Marconi Perillo (PSDB) de assumir a majoritária das esquerdas goianas.

Com isso, fica mais claro que, apesar da indefinição estratégica – bem no estilo Iris Rezende –, o tucano sairá em voo solo como moderado ao Palácio das Esmeraldas. Ou seja, sem se colocar como nome da direita – já mais do que representada por Ronaldo Caiado (União Brasil), Gustavo Mendanha (Patriota) e Vítor Hugo (PL) – e agora também fora do grupo da esquerda.

Ainda é possível se lançar ao Senado como isolado, mas é menos provável. Aliados dão como certo que o ex-governador entrará na disputa como postulante ao governo. 

Continua após a publicidade

O Pros, do presidente Marcus Holanda, já declarou que caminhará com o tucano se ele firmar na disputa ao Palácio das Esmeraldas. Holanda, inclusive, já apresentou outras siglas para Perillo, mas não diz quais por estratégia. 

A definição oficial, todavia, só será tomada mais à frente. O ex-governador já declarou que dirá o cargo pretende se candidatar somente em 16 e julho. 

“Está previsto para acontecer [o anúncio] no dia 16 de julho, em um evento para encerrar o ciclo de eventos em 35 cidades-polo. Foi a decisão que tomamos coletivamente. Em política, não tem como dizer algo com 100% de certeza, porque é preciso trabalhar na composição das chapas. Mas, a princípio, é a data que estabelecemos”, informou Perillo à rádio Sagres.

Vitória

Na terça-feira (28), ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes anulou os atos da operação Cash Delivery, em nova decisão. Com isso, ele liberou todo o patrimônio do ex-governador Marconi Perillo e do ex-presidente da Agência Goiana de Infraestrutura e Transportes (antiga Agetop, hoje Goinfra), Jayme Rincón.

Vale citar, a ação foi deflagrada pelo Ministério Público Federal em desdobramentos da Operação Lava Jato em 2018, quando Marconi era candidato ao Senado – o que pode ter lhe custado a cadeira, uma vez que liderava as pesquisas antes da ação. A ação investigava supostos repasses irregulares de agentes públicos em Goiás, com base em delações da Odebrecht.

Tanto Rincón quanto Marconi chegaram e ser presos sob suspeita de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Eles foram liberados pouco depois.

Nos bastidores, a decisão que tirou de vez o ex-gestor como figura suspeita de corrupção foi comemorada. Isto, porque inviabiliza as “acusações de corrupto” contra Marconi e fortalece o discurso do tucano na campanha.

“O Supremo Tribunal Federal acaba de colocar um ponto final nessa farsa armada por meus adversários. Obrigado a todos que sempre me apoiaram e confiaram em nossa inocência. Que Deus continue nos protegendo”, comemorou o líder do PSDB pelo Twitter após a divulgação da decisão.

Ora, Perillo poderá focar na gestão do “Tempo Novo”, avaliam interlocutores. Nesse sentido, ele terá o que falar, fazendo um recorte dos anos em que esteve à frente da administração estadual.

Definição do PT

Nos bastidores, a informação era que o PT nacional queria a participação de Marconi Perillo na chapa majoritária. No começo da noite de quarta-feira (29), contudo, a presidente estadual Kátia Maria encerrou o assunto e bateu o martelo pelo nome de Wolmir Amado.

Além disso, marcou (com a anuência da direção nacional) o encontro estadual para 9 de julho. A reunião teve dois adiamentos: ela ocorreria inicialmente em 28 de maio e depois em 11 de junho.

Na primeira vez, o ex-governador José Eliton (PSB) que disputava com Wolmir Amado a preferência da federação (PT, PV e PCdoB) retirou a pré-candidatura. À época, ele justificou falta de consenso. Nos bastidores, entrava a questão de Marconi Perillo, que teria ocorrido de forma atropelada. 

Kátia informou, ainda, que na próxima segunda-feira (4) o PT deve se reunir com a federação para comunicar a posição [de Wolmir Amado como nome] e preparar as próximas ações. A partir daí as discussões irão girar em torno da composição para vice e para o Senado. Vale citar, Denise Carvalho (PCdoB) e Cristiano Cunha (PV) já colocaram os nomes como pré-candidatos a senador.

Veja Também