PF amplia segurança de Lula durante pré-campanha eleitoral

Cúpula da campanha pressionou a polícia após ser constatado risco elevado para a campanha do petista.

Postado em: 09-07-2022 às 13h41
Por: Luan Monteiro
Cúpula da campanha pressionou a polícia após ser constatado risco elevado para a campanha do petista. | Foto: Reprodução

A Polícia Federal (PF) antecipou o reforço ao aparato de segurança do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), principal adversário do presidente Jair Bolsonaro (PL) nas eleições de outubro.

Na última quinta-feira (7/7), uma bomba caseira foi lançada antes da chegada do petista a ato de pré-campanha no Rio de Janeiro. O episódio consolidou a avaliação de que os candidatos estão sujeitos a risco mais elevado nestas eleições do que em anteriores.

A ideia do grupo encarregado da missão é iniciar a proteção de forma gradativa a partir do dia 21, quando o PT realiza a convenção para oficializar o nome de Lula como candidato. No final de mês, o ex-presidente passaria a contar com a estrutura completa.

Continua após a publicidade

A decisão é uma antecipação ao que foi feito em eleições passadas, quando o policiamento em tempo integral ocorria com o início oficial da campanha, que será no dia 16 de agosto.

Ao menos 27 policiais estarão envolvidos com a proteção a Lula, número que pode aumentar dependendo da análise de risco que será feita pelos agentes federais a cada agenda. Integrantes da cúpula da campanha do ex-presidente, encarregados de cuidar da segurança, têm pressionado a PF a iniciar os trabalhos o quanto antes.

Até o momento, a campanha de Lula foi alvo de diversos ataques. Além da bomba caseira lançada no ato de pré-campanha do petista no RioS, em 15 de junho, apoiadores do ex-presidente foram atingidos por um líquido lançado por um drone que sobrevoou a região de um evento. O relato era que o líquido exalava odor parecido com o de fezes.

Após esse episódio, o comitê de campanha de Lula intensificou a segurança em eventos.

Veja Também