Qual será futuro de Luiz do Carmo

Nos bastidores, comentário é que senador está prestes a debandar para o time de oposição

Postado em: 19-07-2022 às 08h46
Por: Felipe Cardoso
Nos bastidores, comentário é que senador está prestes a debandar para o time de oposição | Foto: Reprodução

Há um entendimento comum entre os players do alto escalão da política goiana quando o assunto é a disputa pela bênção do governador à única vaga de sua chapa ao senado: que o senador e pré-candidato à reeleição, Luiz do Carmo, está descartado. Na avaliação desses políticos, dificilmente Ronaldo Caiado (UB) deverá apontar um único nome — acreditam que o governador deverá se lançar na disputa cercado de candidaturas isoladas, na tentativa de se indispor com a menor parcela de candidatos possível –, mas que caso aponte alguém — o que analisam como pouco provável — não deverá ser o senador. 

Ciente disso, as lideranças não hesitam em afirmar que Luiz do Carmo tende a anunciar um novo caminho em um futuro não muito distante. Apesar do senador ter negado, quando procurado pela reportagem, uma aproximação com o ex-governador Marconi Perillo, o tempo mostrou que ela não só ocorreu como, agora, se mostra mais provável do que antes. 

Dos sete postulantes ao Senado goiano, João Campos (Republicanos) já se enturmou com a base do pré-candidato ao governo, Gustavo Mendanha (Patriota). A encrenca, por sua vez, se restringe aos demais nomes. São eles: Delegado Waldir (UB), Alexandre Baldy (Progressistas), Lissauer Vieira (PSD) e Zacharias Calil (UB). Enquanto Waldir, Baldy e Calil não veem dificuldades em se lançar na disputa em candidaturas isoladas, Lissauer e Luiz seguem se acotovelando para ser ungido candidato do governador. 

Continua após a publicidade

Ao que tudo indica, nenhum dos dois deve abrir mão disso, nem que o preço seja compor com a oposição ao governo. Mendanha já declarou à imprensa que aguarda pacientemente o ‘expurgo’ caiadista para abocanhar seus futuros ex-aliados. Com Perillo, a história não é diferente. Com o nome na disputa pelo governo, há quem diga — ou melhor, ateste — de que o destino de Carmo será junto a Marconi Perillo.

Em meio às conversações, o panorama mais tem ganhado força é de que o senador ocupe a vice do tucano. Carmo, é claro, gostaria de voltar ao Senado. Mas as pesquisas não demonstram uma condição minimamente vantajosa em relação aos demais candidatos. Pelo contrário. O destino de Marconi evidentemente é incerto, mas o entendimento de alguns players é que Marconi tem mais chance de chegar ao segundo turno e sair vitorioso do que Carmo de ganhar a briga pelo senado, o que torna o suposto acordo entre o senador e o ex-governador interessante. 

A possibilidade de sair como vice também não é algo 100% novo para o Senador que, apesar de relutar à ideia, certamente já refletiu sobre isso em oportunidades anteriores. Ainda em fevereiro deste ano O HOJE já falava sobre isso. À época foi noticiado que em meio às tentativas de Carmo em encontrar um ninho ele teria sido convidado por Gustavo Mendanha (Patriota) a ocupar a vice em sua chapa. Mas o senador firmou o taco em seu projeto rumo ao senado. 

Acontece que Campos levou a melhor e hoje figura como o candidato de Mendanha ao Senado. A vice, por sua vez, ainda não foi ocupada. Do outro lado, agora definido como candidato, Marconi segue com a vice, bem como a vaga ao senado aberta em sua chapa. Apesar dos palpites, ninguém sabe ao certo onde Luiz deve se encaixar, mas a aposta é que na base caiadista não ficará, ainda que seu irmão e presidente do PSC — partido do senador –, Eurípedes do Carmo diga o contrário. Luiz do Carmo foi procurado para comentar o assunto, mas preferiu se esquivar. Por meio da assessoria justificou: “É um momento estratégico de definições”.

Veja Também