”Marconi vai ao segundo turno, só não sabemos com quem”, diz Hélio de Souza

Para o deputado estadual e pré-candidato à Câmara Federal, Caiado só tem a perder daqui para frente

Postado em: 20-07-2022 às 08h08
Por: Francisco Costa
Para o deputado estadual e pré-candidato à Câmara Federal, Caiado só tem a perder daqui para frente | Foto: Reprodução

Deputado estadual e pré-candidato à Câmara Federal, Hélio de Sousa (PSDB) afirma que o ex-governador Marconi Perillo (PSDB) estará no segundo turno das eleições deste ano ao Palácio das Esmeraldas. “Marconi vai ao segundo turno, só não sabemos com quem”, garante. 

Segundo ele, o governador Ronaldo Caiado (União Brasil) não está garantido, pois tem uma série de problemas. “É o único que perde votos para Vitor Hugo (PL)”, se refere ao pré-candidato do presidente Bolsonaro (PL) no Estado. “Ele não sabe quantos votos, mas vai perder.”

Além disso, Hélio afirma que Caiado enfrenta outra situação desgastante, que é a impossibilidade de abrir todos os pré-candidatos ao Senado da base, o que irá resultar em debandada. “Então, daqui pra frente, Caiado só tem para perder. Enquanto isso, o PSDB é o único com duas vagas na chapa: para Senado e vice.” Na avaliação do tucano, a situação do partido é interessante e possibilita montar um time forte. “Com quem eu não sei, mas conversamos com todos”, se antecipa para não entregar nomes.

Continua após a publicidade

Ainda sobre o segundo turno, ele afirma ser imprevisível e diz não ver vantagens entre os postulantes ao governo de Goiás. Apesar disso, analisa que só agora Marconi se colocou na disputa. “As pesquisas até colocavam o ex-governador como candidato ao governo e ao Senado. Nossa leitura, com ele somente a um cargo, é totalmente favorável ao crescimento. Então, ele vai ao segundo turno, só não sabemos com quem”, reforça.

Alianças

Tucano histórico em Goiás, o prefeito de Minaçu Carlos Leréia (PSDB) é favorável ao ex-governador Marconi Perillo buscar todo tipo de aliança, desde que esta seja real. Para ele, não basta o partido apoiar, mas não haver o engajamento dos demais membros da sigla. 

“Quando se alia a um partido, o grupo tem que estar coeso, em cima do projeto. Não pode apenas colocar no papel. Se a turma não apoia, aí é jogada para tempo de TV e isso não soma eleitoralmente”, argumentou ao Jornal O Hoje. 

Questionado se isso teria a ver com os rumores de buscas por aliança com o PT, Leréia desconversa. Segundo ele, “como prefeito de Minaçu não acompanhei essas conversações”.

De volta a Hélio, ele diz que a autonomia pretendida por Marconi é para montar a chapa com vice e senador. Em relação ao PT, ele afirma que no primeiro turno seria difícil, uma vez que na esfera nacional o PSDB está com pré-candidata à presidência, senadora Simone Tebet (MDB).

“No segundo turno a questão será analisada a depender dos resultados. A gente não sabe quem irá para o segundo turno [nacional e estadual]. Então, nesse momento, a maioria do grupo está focada no primeiro turno”, arremata.

Segundo turno

A avaliação de membros da base de Ronaldo Caiado é que a presença de Marconi impacta o cenário eleitoral goiano e favorece um segundo turno no pleito. Presidente do Avante estadual, o vereador por Goiânia Thialu Guiotti é enfático sobre o que muda com a presença do tucano: “A certeza de segundo turno.” Para ele, antes disso havia possibilidade de reeleição de Caiado na primeira etapa.

Deputado estadual e presidente do Progressistas, Alexandre Baldy avalia, primeiro, a retirada da possibilidade do nome de Perillo da disputa pelo Senado. “Para mim não muda. Continuo com a minha pré-candidatura ao Senado firme e forte”, pontuou. Já na corrida pelo Palácio das Esmeraldas, o aliado do governador avalia que a chegada do pessedebista afeta a disputa. “Acho que impacta [as eleições]. Creio que consolida a possibilidade de segundo turno”, afirmou.

Veja Também