Rogério Cruz pode perder parte considerável da base aliada na Câmara

Atualmente com mais de 30 parlamentares, a gestão estima a manutenção de 25 nomes caso a debandada ocorra

Postado em: 21-07-2022 às 08h35
Por: Redação
Atualmente com mais de 30 parlamentares, a gestão estima a manutenção de 25 nomes caso a debandada ocorra | Foto: Fernando Leite

Felipe Cardoso e Francisco Costa

O prefeito Rogério Cruz (Republicanos) deve ter a base reduzida após o primeiro turno das eleições deste ano. Isto porque um grupo de parlamentares insatisfeitos por falta de atendimento de demandas teria dado prazo ao gestor municipal até outubro para um posicionamento acerca dos pedidos. Conforme apurado pelo O HOJE, a insatisfação passa pelo não atendimento de secretários, além do não cumprimento das reivindicações dos bairros e até por falta de cargos.

Mais de dez nomes da base se reuniram uma semana antes do recesso para elaborar o ultimato, que pode gerar migração de até dez legisladores para a oposição, ou como preferem dizer, para a posição de “independentes”. Atualmente, a oposição é composta por Lucas Kitão (PSD), Aava Santiago (PSDB), Mauro Rubem (PT) e Santana Gomes (PRTB).

Continua após a publicidade

O Jornal O Hoje conversou com alguns parlamentares que, em off, falaram especificamente sobre os cargos. Outra questão é a insatisfação com a votação frequente de projetos desgastantes. A avaliação é que o volume foi grande com matérias pesadas como o Plano Diretor e o Código Tributário, com a alteração do IPTU, além da data base dos professores e outros. Para agosto, está previsto o anteprojeto de revisão do Código Tributário. Anteprojeto, pois desmembra a matéria para que se vote somente a questão do IPTU, mais uma “bomba” para os vereadores às vésperas da eleição.

Destaca-se que o envio da matéria em fatias é algo que preocupa alguns parlamentares. “A prefeitura quer mandar o mais polêmico, que é o IPTU, antes da eleição e deixar o resto para depois? Prefiro acreditar que a Casa não vai se submeter a esse vexame”, afirmou um dos vereadores à reportagem.

Vale citar, levantamento do Jornal O Hoje revela que 25 dos 35 vereadores de Goiânia são pré-candidatos à Câmara Federal ou Assembleia Legislativa de Goiás. Ou seja, cerca de 71% dos parlamentares da capital querem buscar o legislativo estadual ou federal. Destes 25, seis devem tentar a Câmara Federal e os outros 19 para a Assembleia Legislativa de Goiás (Alego). na reta final, a avaliação é que todo desgaste deve ser evitado.

Base

Um parlamentar mais próximo ao prefeito Rogério Cruz afirmou que essas insatisfações são comuns. “Principalmente quando se tem uma base tão grande.” De acordo com esta pessoa, as principais demandas são, de fato, em relação a cargos.

A fonte, contudo, afirma que a base realmente passará por uma “recomposição” a partir de outubro e deverá orbitar em torno de 25 nomes – ou seja, não deve ter uma redução tão drástica. Este é o número que o prefeito precisa para passar matérias estratégicas na Casa.

Para o parlamentar, o ideal é fechar um número garantidor, mesmo menor, mas que esteja satisfeito e alinhado com o município. nesse sentido, a perda de legisladores já seria aguardada pela gestão.

Vereadores que devem disputar pleito neste ano

Apenas após o dia 5 de agosto, prazo final das convenções, é que os nomes estarão definidos como candidatos. Contudo, 25 vereadores da capital já colocaram o nome à disposição dos partidos para concorrer aos legislativos estadual e federal.

Para Assembleia são postulantes: Anderson Sales Bokão (PRTB); Cabo Senna (Patriota); Clécio Alves (Republicanos); Edgar Duarte (Brasil 35); Gabriela Rodart (PTB); Henrique Alves (MDB); Izídio Alves (MDB); Juarez Lopes (PDT); Kleybe Morais (MDB); Leia Klebia (PSC); Luciula do Recanto (PSD); Mauro Rubem (PT); Paulo Henrique da Farmácia (Agir); Ronilson Reis (Brasil 35); Santana Gomes (PRTB); Sargento novandir (Avante); Pedro Azulão Júnior (PSB); e William Veloso (PL). Em relação à Câmara Federal, tentarão uma das 17 cadeiras: Aava Santiago (PSDB); Leandro Sena (PRTB); Lucas Kitão (PSD); Romário Policarpo (Patriota); Sabrina Garcez (Republicanos); Sandes Júnior (PP); e Thialu Guiotti (Avante).

Veja Também