Filhos e viúva de petista morto a tiros fazem ato pela paz no Dia dos Pais, em Foz do Iguaçu

Cerca de 50 pessoas participaram da ação neste domingo (14). Marcelo Arruda foi morto a tiros no próprio aniversário pelo policial penal federal Jorge Guaranho

Postado em: 14-08-2022 às 17h55
Por: Ícaro Gonçalves
Cerca de 50 pessoas participaram da ação neste domingo (14). Marcelo Arruda foi morto a tiros no próprio aniversário pelo policial penal federal Jorge Guaranho | Foto: Giovani Zanardi/RPC Foz do Iguaçu

Os familiares de Marcelo Arruda organizaram neste domingo (14/8), Dia dos Pais, um ato religioso pela paz e em memória do petista assassinado. Marcelo era tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT) e foi morto a tiros no dia 9 de julho em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná.

Marcelo participava de sua festa de aniversário, que tinha como tema o PT e o ex-presidente Lula, quando o evento foi invadido a tiros pelo policial penal Jorge Guaranho. Arruda revidou os disparos e atingiu Guaranho, que ficou internado desde a data do crime até a última quarta-feira (10), quando teve alta e foi preso.

Cerca de 50 pessoas, entre familiares e amigos, participaram da ação que foi promovida próxima a igreja matriz de Foz do Iguaçu. Eles levam cartazes com dizeres “1º Dia dos Pais sem nosso pai”, “chega de ódio, queremos paz e justiça”. O grupo também fez orações e, em seguida, uma caminhada em silêncio em ruas próximas à igreja.

Continua após a publicidade

Em entrevista à imprensa local, a viúva de Marcelo Arruda, chamada Pamela Silva, falou sobre o pedido de justiça e a importância do ato para os filhos do tesoureiro. “Um ato importante principalmente para os filhos, terem esse momento de acolhimento com amigos, com a família, para continuar pedindo pela paz, esse é o principal” disse a Pamela.

Leia também: Polícia descarta motivação política em morte de tesoureiro do PT

Prisão

Guaranho esteve internado em um hospital desde o dia do crime. Na quarta-feira (10) ele recebeu alta e ficou em prisão domiciliar até o dia 12, usando tornozeleira eletrônica.

Na sexta (12), a Justiça revogou a prisão domiciliar do policial e determinou que ele fosse transferido para Complexo Médico Penal (CMP) de Pinhais. A entrada no Complexo ocorreu na madrugada de sábado, por volta das 2h50.

O policial penal permanece em uma cela, recebendo todo apoio necessário, conforme a Secretaria de Segurança Pública.

Veja Também