Time mendanhista aposta nos mais de 40% do eleitorado indeciso

Grupo ignora resultados apresentados em pesquisa estimulada e foca nos números do cenário espontâneo.

Postado em: 22-09-2022 às 06h45
Por: Luan Monteiro
Grupo ignora resultados apresentados em pesquisa estimulada e foca nos números do cenário espontâneo. | Foto: Rodrigo Estrela

O time encabeçado pelo ex-prefeito de Aparecida de Goiânia e candidato ao governo goiano, Gustavo Mendanha (Patriota), não se deixou abalar pelos indicadores trazidos na pesquisa mais recente de intenção de votos. A reportagem conversou com lideranças próximas ao candidato, muitas delas trabalham, inclusive, na linha de frente da campanha. Todos chamaram atenção, como argumento de sustentação do otimismo, para um indicador “não destacado pela imprensa”. 

“O que ninguém tem observado é a quantidade gigantesca de indecisos que aparecem no cenário não estimulado”, destacou um dos consultados. De acordo com o levantamento mais recente do instituto Serpes, na pesquisa espontânea, 36,7% do eleitorado disse que votaria em Ronaldo Caiado (UB). 9,6% apontaram o nome de Gustavo Mendanha como favorito. Na sequência estão: Major Vitor Hugo (PL) com 3,5%, Wolmir Amado (PT) com 1,1%, Cintia Dias (Psol) com 0,5% e Professora Helga (PCB), Edigar Diniz (Novo) e Professor Pantaleão (UP) com 0,1%. 4,2% do eleitorado respondeu que anularia o voto e a maior fatia (43,9%) — que supera, inclusive, os números do governador — disse que ainda não decidiu. E é justamente nesse último público que Mendanha tem apostado todas as fichas. 

“A mídia mostra só o que convém. Deram total visibilidade para a estimulada onde o governador tem mais de 50% dos votos, mas esconderam a espontânea onde a quantidade de indecisos é enorme”, disse um articulador que, por fim, indagou: “pense comigo, se o governador é conhecido pelos quatro cantos do estado e ainda assim mais de 40% não decidiu em quem votar, é sinal de que nele eles não vão votar. Sinal que vão procurar refúgio em um outro candidato, em alguém que os represente. Falta de conhecimento do nome do governador não é. A nossa missão nos próximos dias é trazer essa fatia considerável do eleitorado que pode virar eleição”. 

Continua após a publicidade

Fator tempo

O cientista político Lehniger Mota conversou com a reportagem do O HOJE onde analisou o ponto de vista do time mendanhista em relação à reta final da disputa. Para ele, é importante que a campanha se agarre aos indicadores mais satisfatórios. “Obviamente o Gustavo e sua equipe têm acesso  a outras pesquisas e outras fontes de informação. Mas vejo como muito difícil, faltando menos de duas semanas para o pleito, a gente pensar em alguma modificação expressiva do quadro”, considerou. 

Na opinião do especialista, apenas um “fato novo” seria capaz de alterar o cenário político goiano. “Não há fato novo, a não ser que haja alguma tragédia ou algo inesperado nesse sentido aconteça. É muito difícil pensar em algum fato que poderia fazer com que esse cenário da estimulada, onde as pessoas indecisas escolhem Caiado, possa mudar. É natural que em uma sociedade despolitizada tenhamos altos índices de indecisões quando se pergunta ao eleitor sem dar nomes. Mas conforme vamos nos aproximando das eleições isso vai mudando”, garantiu. 

Para ele, com o cenário já estabelecido, o que se percebe é que Caiado tem, realmente, uma vantagem considerável. “É claro que a campanha do Mendanha tem que se agarrar a algo, até mesmo para que seus apoiadores não abandonem o barco e façam, até o final, uma campanha digna. Mas a questão é que todos os números mostram que a tendência é muito forte para uma reeleição do Caiado já no primeiro turno”. 

A pesquisa mencionada foi realizada entre os dias 12 e 14 de setembro e divulgada no último final de semana pelo jornal O Popular. Ao todo, foram entrevistados 801 eleitores. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais para mais ou para menos. A confiança é de 95%. 

Veja Também