Em manifesto, Ciro repete discursos e mantém candidatura

"Minha candidatura está de pé e meu nome continua posto para salvar o Brasil de um presente covarde e um futuro amedrontador"

Postado em: 26-09-2022 às 10h26
Por: Francisco Costa
Candidato ocupa a terceira colocação nas mais diversas pesquisas de intenção de voto (Foto: Reprodução/Facebook)

Candidato à presidência, Ciro Gomes (PDT) repetiu os mesmos discursos anti-Lula (PT) e anti-Bolsonaro (PL) em manifesto à nação nesta segunda (10). Ele também manteve sua candidatura. “Nada deterá minha disposição de seguir em frente.”

Entre outras coisas, ele afirmou – mais uma vez – que a gestão “corrupta” do PT foi a responsável pela eleição de Bolsonaro e que eles produzem a campanha mais sem propostas de todos os tempos. Segundo ele, as máquinas do lulismo e bolsonarismo ludibriam a população.

Ciro acusou, ainda, no manifesto que “aqueles que ousam resistir são vítimas das mais violentas campanhas de destruição de imagem”, ataca novamente os dois candidatos.

Continua após a publicidade

Segundo ele, o Brasil pode sofrer a maior fraude da história votando em Lula e Bolsonaro, pois a legítima vontade popular está sendo inviolada. “Não pelas urnas”, reforçou que estas são confiáveis. Para o presidenciável, a população é induzida a votar em dois candidatos que levarão o País ao caos. O pedetista também criticou o “voto útil”, pois, segundo ele, querem privar a população de “expressar seus sonhos”.

“Minha candidatura está de pé e meu nome continua posto para salvar o Brasil de um presente covarde e um futuro amedrontador”, finalizou.

Vale citar, Ciro Gomes ocupa a terceira colocação nas mais diversas pesquisas de intenção de voto. No levantamento BTG/FSB desta segunda ele marcou 7%, o mesmo número da última rodada.

Já o ex-presidente Lula (PT) marcou 45% das intenções de voto em primeiro turno. O petista está 10 pontos a frente do atual mandatário do País, Jair Bolsonaro (PL), que pontuou 35%.

Os demais pontuaram da seguinte forma: Simone Tebet (MDB), 4%; Soraya Thronicke (União Brasil), 1%; e Felipe D’Ávila (Novo), 1%.

Brancos e nulos foram 4%. Outros 2% disseram não saber ou não responderam.

Esta pesquisa ouviu 2 mil eleitores por telefone de 23 a 25 de setembro e foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número BR-08123/2022. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou menos e tem intervalo de confiança de 95%.

Veja Também