Usuário aprova 3º Turno da Saúde

Programa lançado pelo governo nesta semana já tirou das filas diversos pacientes para consultas e cirurgias

Postado em: 28-04-2018 às 06h00
Por: Sheyla Sousa
Programa lançado pelo governo nesta semana já tirou das filas diversos pacientes para consultas e cirurgias

Lucas de Godoi*

O programa Terceiro Turno da Saúde, implantado pelo governador José Eliton no início da semana, soma números positivos em atendimentos médicos. Foram 21 cirurgias, 283 consultas e 438 exames nos hospitais Alberto Rassi (HGG) e Crer, de segunda-feira até a noite de quinta-feira.

Continua após a publicidade

Nos centros cirúrgicos e ambulatórios, pacientes expressaram nesses dias o sentimento de gratidão pelo fim da espera e a esperança de vida nova após o benefício alcançado. Uma ideia brilhante que espero que continue por muito tempo. O governo está de parabéns”, disse o paciente Lindomar Dias de Freitas, que passou por cirurgia no quadril no HGG.

De acordo com o governador, ao lançar o programa a meta é zerar o déficit por cirurgias eletivas, com a realização de 7,5 mil até o final deste ano. A partir de segunda-feira (30), os demais hospitais estaduais também serão inseridos no programa. “Esse é um programa de Estado, não é um programa de governo. É um programa permanente, cujo objetivo é zerar esse déficit e depois organizar o fluxo normal para que não sejam formadas novas filas”, explicou José Eliton. 

O programa terá investimento de R$ 100 milhões. A estimativa é de realização de 11.630 exames especializados por mês, além de 5.236 consultas e 925 cirurgias durante o mesmo período, que incluem as especialidades de oftalmologia, urologia, neurologia, dermatologia, cirurgia geral, angiologia, entre outras. A previsão da Secretaria de Estado da Saúde (SES) é de que a medida tenha duração de oito meses, com planejamento para realizar 142 mil atendimentos até 31 dezembro deste ano. 

O HGG realizou 18 cirurgias, 179 consultas e 158 exames. Já no primeiro dia de atendimento, realizou dez cirurgias e 80 consultas e exames. O Crer, por sua vez, realizou três cirurgias, 104 consultas e 280 exames nesses dias. 

Pacientes aguardavam há anos por atendimento 

Vicente Barbosa Neto, de 35 anos, e Cristiane de Freitas Borges, de 45 anos, foram dois dos pacientes atendidos no primeiro dia do programa, no HGG. Ele aguardava há dois anos e meio por uma cirurgia de ligamento do joelho e comemorava o fato de ser um dos primeiros convocados no primeiro dia do programa.

“Eles me ligaram na sexta-feira e no sábado mesmo já fui internado. Necessito muito dessa cirurgia, assim como muitas pessoas que têm a esperança nesse Terceiro Turno. Estou muito feliz. Logo que sair daqui vou para Trindade, a pé, pagar promessa e depois vou jogar bola”, brincou. 

Já Cristiane aguardava há quatro anos por uma cirurgia cardíaca. Foi chamada para se consultar com um cardiologista e dar início aos exames pré-operatórios. “Esse programa é muito importante para mim, porque já estava há quatro anos na fila de espera. E é importante também para a sociedade, porque vai desafogar essa fila de espera, com um atendimento de excelência”, avaliou. 

Lindomar Dias de Freitas passou por cirurgia no quadril e fez muitos elogios ao programa e ao atendimento que recebeu. Ele aguardava pela cirurgia há dois anos. “Uma brilhante ideia que eu espero que continue. O governo está de parabéns. A minha expectativa foi imensa, tanto que me ligaram e eu vim o mais rápido que pude de Jataí. Fui muito bem recebido aqui o tempo todo. Só tenho que agradecer”, disse.

Ivone de Freitas, esposa de Lindomar, acompanhou o marido durante todo o processo e deu nota mil ao atendimento que ele recebeu. “Eu avalio como nota mil. Esse programa vai beneficiar muitas pessoas. E desde a hora em que entramos aqui o pessoal foi muito atencioso”, disse. Maria de Fátima Barbosa conseguiu se consultar e afirmou ter gostado muito do programa. “Foi uma ideia muito boa, porque tem muita gente na fila de espera e esse terceiro turno vai resolver bastante essa espera, além do que o atendimento é ótimo”, disse. 

Profissionais estão felizes com resultado 

A agente de atendimento do HGG Vanessa José da Silva é umas pessoas que liga para avisar ao paciente que ele foi convocado para a cirurgia. Se o paciente fica feliz com a notícia, Vanessa garante que do outro lado a alegria é bem similar. “Eles ficam muito satisfeitos e para nós também é muito gratificante dar essa notícia para eles. Avalio que esse programa veio agilizar o atendimento, facilitar a vida dos usuários. Já estamos tendo um bom resultado e toda a equipe está muito focada em atender ao máximo os pacientes”, conta.

O médico geriatra Cristhiano Holanda é gerente de atendimento do Crer, e disse que já na primeira semana foi possível perceber que o programa veio otimizar a demanda reprimida da população por atendimentos e cirurgias eletivas. “As filas vêm se acumulando de acordo com a demanda da população, que é crescente. Então, agora conseguimos oferecer para a população a solução da sua demanda”, observou.

O diretor técnico do HGG, dr. Durval Pedroso, avaliou como nobre a atitude do governador José Eliton de implantar o 3º Turno da Saúde em Goiás. “As pessoas têm ainda mais dignidade no atendimento, porque têm novos horários que se enquadram a elas. O HGG já superou a meta nos primeiros dias, e isso é ótimo sinal”, declarou.

Hwaskar propôs reuniões a cada dez dias, o que foi prontamente aceito pelo prefeito. “Vamos estabelecer um grupo para tratar do assunto. Este é um motivo de preocupação de todos até porque faz parte da história de Goiânia”, frisou Iris. Para o secretário da Secima, a revitalização do Centro de Goiânia pode trazer ganhos sociais, econômicos e mesmo turísticos. 

Os mecanismos que o Poder Público dispõe podem promover a retomada do crescimento do bairro. Com as ferramentas corretas, diz, é possível mudar a cara do Centro nos próximos dois anos. “Este é um patrimônio da cidade e de Goiás que não pode ser esquecido. “O projeto Vem pro Centro é a mais completa iniciativa para tornar a região um lugar de economia pujante e convivência civilizada”, conclui. 

Veja Também