Braço direito do prefeito de Goiânia é réu na Lava Jato

Postado em: 23-03-2021 às 10h35
Por: Pedro Jordan
Vereador Ronilson Reis (Podemos) denuncia que Wanderley Tavares (Indicação da IURD) para paço trará corrupção para prefeitura. | Foto: Reprodução

Pedro Jordan

Denuncia feita pelo vereador
Ronilson Reis (Podemos) denunciou durante a sessão parlamentar desta terça, 23,
que Wanderley Tavares, indicação da presidência do partido Republicana (mesmo
do prefeito Rogério Cruz), para que faça as mudanças administrativas na
Prefeitura era articulador da corrupção no Rio de Janeiro.

Segundo ele, Wanderley está
promovendo mudanças nas secretarias de Goiânia onde busca os interesses
internos, que pode virar uma maquina de propina do partido. Ele reforça que a
indicação de Tavares veiu o bispo Edir Macedo, comandante geral da IURD.

Ronilson falou no plenário
que Wanderley é condenado pela operação Lava Jato, e tem 21 anos de condenação
por conta de seus atos ilícitos, e veio para realizar uma operação de corrupção
dentro da prefeitura de Goiânia.

Gabriela Rodart (DC)
parabenizou a observação do vereador Ronilson, é fundamental a fiscalização da
prefeitura, e frisou que a câmara está de olho no executivo.

Bancada Republicana

O líder do partido na câmara,
Isaias Ribeiro (Republicanos) acusou Ronilson de ser preconceituoso em seu
discurso, onde segundo ele, misturou politica e igreja de maneira ofensiva. Ele
reforça que o prefeito Rogério Cruz veio de dois mandatos de vereador sem más condutas,
e que em nome do partido, fará sempre mudanças buscando o melhor. “Nosso
partido é sério e se foi tomada essa decisão é porque é o certo, nosso prefeito
é homem de família e responsável, não será agora que terá má conduta”,
salienta.

O vereador Leandro Sena ,
também do Republicanos afirma que, no partido do Podemos (partido do Ronilson),
também tem gente investigada por corrupção, então a citação que tenta
questionar a integridade do partido do prefeito é infundada.

Vice Líder do Governo

O emedebista Anselmo Pereira
ressalta que Ronilson exercita o segundo poder do legislativo, que é a
fiscalização, e isto são importantes para a democracia, porém, mostra discordância
com o tema abordado. “Ele tem poucos dias de que assumiu a caneta, e tem que
ter a força seletiva para saber o que é melhor para a universalidade da
população de Goiânia”, salientou.

Anselmo aproveitou para
defender o prefeito, que segundo ele, está fazendo acontecer o plano de governo
apresentado por Maguito Vilela (MDB), cita como exemplo o auxílio que é
oferecido pela prefeitura. “Nosso prefeito mostra pra que veio, e eu concordo
com o discurso do vereador Isaias, e temos que cumprir com nosso papel de
exercer na hora da crítica, também uma solução dos problemas, pois apontar
apenas não contribui”, reforça.

Posição do presidente

O presidente da Câmara,
Romário Policarpo (Patriota), ressalta que apoia o prefeito, mas cita que não
conhece boa parte das indicações para secretários. “Não tenho comentado nos últimos
dias as coisas que acontecem no executivo, me mantive de longe para poder
esperar para avaliar e tomar partido, pois temos que deixar o executivo
trabalhar primeiro para avaliar”, ponderou.

Romário cita que o prefeito
tem que ter autonomia para trabalhar, e se as escolhas não forem as certas, a culpa
também será dele.

Réu na Lava Jato

O representante do partido fundado e integrado por fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus é réu em ação judicial, acusado dos crimes de corrupção ativa e passiva, além de formação de quadrilha. O caso foi revelado pela Operação Mãos à Obra, um desdobramento da Lava Jato em território carioca. 


Compartilhe: