Decisão de Supremo em relação a Sérgio Moro repercute entre parlamentares de Goiás

Postado em: 24-03-2021 às 19h15
Por: Redação
Alguns são favoráveis e outros criticaram o que foi definido pelo Supremo Tribunal Federal. Confira | Foto: Reprodução

Jailson Sena

A decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal que confirmou a suspeição do ex-juiz Sergio Moro no caso do triplex do Guarujá que envolve o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), repercutiu entre os parlamentares goianos em Brasília e no estado. Alguns foram favoráveis e outros discordaram.

O deputado federal Rubens Otoni (PT),via internet, criticou os votos contra a suspeição, o que segundo ele, fizeram a ministra Carmem Lúcia mudar de ideia. “Votos de Ricardo e Gilmar foram demolidores na sessão do STF. A tentativa de Nunes Marques de defender Moro foi patética. Tudo isso fez Carmem Lúcia revisar e votar pela suspeição”, disse. Ele ainda complementou que o ex-presidente é “inocente”.

Já o senador Jorge Kajuru (Cidadania) não gostou da mudança de voto da ministra e afirmou que teria vergonha de ter um parentesco com a magistrada. “Eu teria vergonha de ser seu neto! Carmen Lúcia deu um voto de minerva claudicante para livrar Aécio Neves e depois com uma mudança de voto sacrificou Moro para livrar o Lula”, repudiou o senador em uma rede social. 

O deputado estadual Cairo Salim (Pros), que é favorável ao ex-ministro, comentou que tudo isso poderia ter sido evitado no início. ” A justiça brasileira demora para se pronunciar em relação a fatos que seriam evidentes para eles. Se o juiz não é competente para julgar um fato, isso deveria ter sido julgado anos atrás. Lamento que o Supremo tenha decidido tudo isso e para mim Moro fez um grande trabalho na época”, comentou ao O Hoje. 

Compartilhe: