Centrão propõe mudança no Itamaraty

Postado em: 26-03-2021 às 08h30
Por: Augusto Sobrinho
Estopim veio após gesto supremacista branco no Senado | Foto: Reprodução

Raphael Bezerra

Os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco, e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, têm
pressionado o presidente Jair Bolsonaro para a troca do
comando das políticas externas brasileiras. O estopim foi
o gesto relacionado a supremacistas brancos feitos pelo
assessor especial da presidência felipe Martins. O gesto
foi feito durante a fala do presidente do Senado em uma
audiência pública com o Ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo. 

Araújo, que foi sabatinado e contestado no Senado, tem
sido alvo de críticas da classe política, que argumenta que
o tom hostil do chanceler direcionado a países como a China têm atrapalhado as negociações para aquisição de vacinas e insumos para o combate ao Covid-19. 

“Considero que tivemos muitos erros no enfrentamento dessa pandemia. um deles foi o não estabelecimento
de uma relação diplomática de produtividade com diversos países que poderiam ser colaboradores desse momento
agudo de crise no Brasil”, disse o presidente do Senado. 

Ele evitou se posicionar sobre uma troca no Ministério das Relações Exteriores, atualmente sob o comando
de Ernesto Araújo. “Muito além da personificação ou o trabalho de um chanceler, o que tem que se mudar é a política externa do Brasil”, cobrou Pacheco. (Com informações da Agência Brasil)

Compartilhe: