Inovações da pandemia impulsionam reformas domiciliares em 2022

Tour virtual e vendas por videochamadas atraem clientes que ainda sentem resquícios da pandemia

Postado em: 19-02-2022 às 16h00
Por: Igor Afonso
Tour virtual e vendas por videochamadas atraem clientes que ainda sentem resquícios da pandemia | Foto: Reprodução

Em meio à crise econômica provocada pela pandemia, alta dos juros e da inflação, os brasileiros passaram a investir mais em seus lares. Uma pesquisa da Archademy, maior marketplace de arquitetura do país, revela que 80% dos profissionais da área registraram crescimento de demanda em 2021, em relação ao ano anterior. A perspectiva é de que este movimento continue em 2022 com a inovação na oferta de serviços e a inclusão de novas tecnologias.

Segundo especialistas da área, a necessidade de conforto provocada pelo isolamento social fez com que as pessoas valorizassem mais o lugar onde moram. “Muitos decidiram trocar de imóvel ou o reformarem como um todo, outros estão adequando o lugar para ter um ambiente de trabalho mais confortável e áreas de lazer. O fato é que, independentemente da conjuntura econômica, a relação do brasileiro com sua casa mudou”, aponta Raphael Tristão, CEO da Archademy.

Já a arquiteta Deborah Torres Sintra, do Entrequedra Arquitetos, aposta em uma maior demanda este ano em razão da possibilidade de realizar a reforma sem que o cliente precise necessariamente ficar na residência enquanto a obra acontece, além da oferta de serviços cada vez mais eficientes. “Não é fácil tocar um projeto com as pessoas em casa. Mas, de fato, houve um crescimento exponencial na procura pelos profissionais da arquitetura e acredito que essa mudança na relação com o lar seja definitiva”, afirma.

Continua após a publicidade

Dentre todos os 900 escritórios participantes da pesquisa, 95,5% dos profissionais receberam demanda para reforma de ambientes residenciais. Entre eles, 67,4% relataram ter recebido pedido de adequação do layout geral da casa, 65,8% para adequação da casa para home office e 58,4% para alterar os espaços de convivência. Além disso, 59,3% responderam que estão recebendo solicitações diferentes para adequações de ambientes pós Covid-19.

Se antes da pandemia, uma reforma exigia lidar com uma série de profissionais e fornecedores, fazer cotações e estar o tempo todo de olho na obra, a tecnologia mudou este cenário e tornou a vida do consumidor mais fácil. “Só quem nunca realizou uma reforma desconhece as dificuldades de obter orçamentos confiáveis, encontrar profissionais preparados e responsáveis, comprar materiais a preços justos e ainda acompanhar a execução da obra para que tudo seja feito conforme o planejado”, explica o cofundador da Conecta Reforma, Danilo Duarte.

No outro lado da moeda está Gabriela Viveiro, que decidiu realizar uma reforma em sua casa em janeiro deste ano. Viveiro explica que contratou o serviço de obra contínua, para que fosse realizado de forma mais rápida. Durante dois dias, ela dormiu na casa da mãe para que os reparos fossem realizados em sua casa. “Para mim facilitou muito, eu precisava sair de casa de todo jeito, teria que pedir folga no trabalho apenas para acompanhar a obra e isso poderia gerar problemas para mim. Com esse novo modelo de serviços, durante dois dias eles realizaram a obra e eu pude não só sair pra trabalhar, mas ficar com a minha mãe e receber o resultado com rapidez”, ressalta.

Oferta e demanda

Uma vez que as pessoas não podiam sair de casa, a demanda por atendimentos virtuais cresceu. Exemplo disso é o serviço de tour virtual por apartamentos a venda e a customização de vendas virtuais. “Eu estava louca procurando itens de decoração, mas não podia sair de casa por ser do grupo de risco. Foi quando encontrei essa loja que fazia um tour virtual pelas prateleiras, tinha mostruário virtual e entrega a domicílio. Eu pude fazer todas as minhas compras sem sair de casa”, conta Patrícia Melo.

Notando essa necessidade no mercado, Johnatan Castro, microempreendedor goiano, lançou a modalidade de tour virtual pelas peças da lojas em que é sócio. “Eu notava que vários clientes pediam fotos além das que a gente já postava, pediam vídeos mostrando detalhadamente como funciona cada produto, como fica na parede e acabamos por criar esse sistema. Hoje vendemos por chamada de vídeo, peças de decoração para o Brasil inteiro”, detalha.

Veja Também