Comércio eletrônico cresce e se consolida na pandemia

O Instagram é uma das principais ferramentas para empreendedores que divulgam seus produtos e o Whatsapp é a melhor ferramenta para a finalização das vendas

Postado em: 19-02-2022 às 14h00
Por: Raphael Bezerra
O Instagram é uma das principais ferramentas para empreendedores que divulgam seus produtos e o Whatsapp é a melhor ferramenta para a finalização das vendas | Foto: Reprodução

A pandemia impôs desafios para os empreendedores que viram nas redes sociais e na internet uma nova forma de fazer negócios. O comércio eletrônico cresceu nos últimos dois anos e os empreendedores trocaram as guerras de marketing e panfletos por postagens e anúncios nas mais diversas plataformas. O Instagram é uma das principais ferramentas para empreendedores que divulgam seus produtos e o Whatsapp é a melhor ferramenta para a finalização das vendas de 84% dos pequenos negócios.

As mulheres lideram, com folga, o empreendedorismo nas redes. Lojas de roupas, biquínis, lingerie, manicure e salões de belezas se beneficiam das imagens para atrair a clientela. Segundo a Pesquisa de Impacto da Pandemia do Coronavírus nos Pequenos Negócios, realizada pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), oito a cada dez empreendedoras estão no comércio eletrônico. Entre os homens, essa proporção cai para sete a cada dez. Ainda segundo a FGV, 74% dos pequenos negócios atuam no comércio eletrônico.

Esse é o maior registro da série histórica, que teve início nos segundo mês da pandemia. Na época, 59% dos donos de pequenos negócios atuavam com o comércio pelos meios eletrônicos. Para o presidente do Sebrae, Carlos Melles, a digitalização das micro e pequenas empresas, além dos MEI, foi acelerada pela pandemia. “Essa é uma realidade que veio para ficar e, mesmo com a reabertura, a busca por canais digitais continua sendo intensa pelos empreendedores que agora estão com a missão de aliar as vendas virtuais com as

Continua após a publicidade

presenciais”.

A empreendedora Giovana Barros aponta que o contato direto com os clientes é feito quase que exclusivamente pelas redes sociais. “95% do contato com o cliente acontece pelo online. Com a queda do Instagram e Whatsapp, ficou impossível esse contato”, relata.

Ela conta que além da captação dos compradores, as redes sociais também são utilizadas para “repescar” os clientes antigos com promoções e postagens de novas peças em sua loja de moda íntima. “Aqui, nossa finalização das compras são feitas pelo Whatsapp, onde a gente pode tirar dúvidas, pegar as medidas e outras informações das clientes”, conta.

Cuidados

Em outubro do ano passado, as três maiores redes sociais do mundo passaram um dia inteiro fora do ar, provocando prejuízos para pequenos e grandes empreendedores que dependiam da plataforma.

O diretor superintendente do Sebrae, Antônio Carlos de Souza lima neto, diz que esses são os riscos que os empreendedores assumem ao montar o próprio negócio, mas que a situação vivida na tarde desta segunda-feira acendeu um alerta que deve ser levado em conta nos próximos dias.

Ele pontua que com a pandemia, muitas empresas tiveram que se reinventar e migrar boa parte do seu contato com os clientes para as plataformas virtuais. “A partir desse momento que agente migra, ficamos sujeitos a essas circunstâncias, mas com constatações reais de danos e prejuízos das empresas que acabaram direcionando seu fluxo de atendimento para esses métodos”, alerta.

Veja Também