Veja como está o jovem que teve “sou ladrão e vacilão” tatuado a testa

Caso aconteceu em 2017 e, segundo agressores, a tatuagem foi feita como punição por, supostamente, o jovem ter tentado roubar uma bicicleta

Postado em: 21-03-2022 às 16h19
Por: Maria Paula Borges
Caso aconteceu em 2017 e, segundo agressores, a tatuagem foi feita como punição por, supostamente, o jovem ter tentado roubar uma bicicleta | Foto: reprodução

O adolescente que teve “sou ladrão e vacilão” tatuado na testa como punição por supostamente tentar roubar uma bicicleta, em junho de 2017. Ruan Rocha foi flagrado por Maycon Wesley e seu vizinho, Ronildo Moreira. Os agressores riam e coagiam Ruan a dizer que queria tatuar “sou ladrão”, enquanto filmavam o momento da tortura. A frase foi exibida ainda sangrando nas imagens que circularam pela internet.

Após quase duas semanas desaparecido, diante da percussão, a família do adolescente o reconheceu e foram até a polícia para localizá-lo. Segundo eles, o jovem era usuário de drogas e não estava em pleno uso de suas faculdades mentais.

A polícia foi até o local do crime, onde os dois responsáveis pela tortura disseram que Ruan havia tentado roubar uma bicicleta, os deixando revoltados e, por isso, tomaram a decisão de punir o garoto. Entretanto, disseram também que o haviam soltado após as agressões e não sabiam onde ele estava.

Continua após a publicidade

Na tarde do mesmo dia, os homens receberam o decreto de prisão preventiva e Ruan foi encontrado por conhecidos. Ao Distrito Policial da Cidade de São Bernardo do Campo, o jovem negou ter cometido o furto e foi medicado antes de ser levado para a casa de sua avó. O tio de Ruan relata que, além da tatuagem, o adolescente teve seu cabelo cortado e os pés e mãos amarrados pelos dois agressores.

Para se recuperar do vício em drogas, o adolescente foi internado em uma clínica de reabilitação. Por meio da ajuda de uma vaquinha online, o jovem iniciou o procedimento de retirada da tatuagem durante sua permanência na clínica. Após 1 ano de sobriedade, Ruan afirmou se arrepender de ter pegado a bicicleta para dar uma volta.

“Aquele Ruan lá atrás não era eu, era totalmente uma pessoa desorientada, sem norte, sem futuro. Hoje eu vejo que o Ruan de verdade é esse, que quer uma vida nova, quer ajudar as pessoas, ajudar a família, e quer ser grato todos os dias”, disse ao entrevistador.

No mesmo ano, o tatuador foi condenado a 3 anos de prisão por lesão corporal gravíssima e 4 meses e 15 dias por constrangimento ilegal. Já o vizinho recebeu pena de 3 anos e 6 meses por lesão corporal e de 5 meses e 7 dias por constrangimento ilegal.

Após o caso

Ainda em 2018, Ruan foi preso por furtar cinco frascos de desodorante em um mercado durante uma folga dada pela clínica. Por ser réu primário e com auxílio do departamento jurídico da clínica, Ruan foi liberado sob fiança, retornando à reabilitação.

Veja foto.

Entretanto, em 2019, o jovem voltou a ser preso também por furto. Na ocasião, o adolescente entrou em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade e roubou R$ 20, um moletom e um celular, mas foi flagrado por uma enfermeira e imobilizado por um vigilante. Por ter entrado em luta corporal com a enfermeira, o caso foi julgado como roubo e ele foi condenado a 4 anos e 8 meses de prisão em regime semiaberto.

No final de 2019, quando já estava na unidade penitenciária há um mês, o jovem fugiu do local, mas foi recapturado.

O jovem ainda cumpre pena em Pacaembu, enquanto os agressores receberam o benefício do regime aberto, em 2018. A mãe de Ruan diz que “se for para ele sair de lá do mesmo jeito, é melhor ele ficar mais um pouco lá, que Deus trabalha na cabeça dele”.

Já o psicólogo Sérgio Castillo, diretor da clínica por onde Ruan passou, o jovem talvez tenha uma idade mental inferior à idade biológica. “É nítido diante das posturas que ele torna, dos comportamentos”. Além disso, o psicólogo afirma que o jovem desenvolveu mecanismos de defesa para viver em um mundo hostil demais para ele e, quando está em ambiente seguro para ser quem é, se mostra “uma criança extremamente carente”.

Veja Também