Ana Maria interrompe programa após flagrar prática racista; relembre casos de blackface na TV brasileira

Postado em: 20-05-2022 às 19h11
Por: Ana Bárbara Quêtto
O ato foi muito criticado nas redes sociais. | Foto: Reprodução.

Na manhã desta sexta-feira (20/5), Ana Maria Braga interrompeu um dos quadros do programa ‘Mais Você’, Jogo de Panelas, após o competidor Anderrupson aparecer com a pele mais escura, com a intenção de se “fantasiar” de negro. A temática do jantar desse episódio era africana, que foi organizado por outro participante, Felipe. A ocasião deixou o anfitrião desconfortável.

“Anderrupson estava super legal, mas mais uma vez ele traz a ingenuidade. Ele faz a pintura. Não precisa se pintar de negro, a gente não brinca de ser negro, temos toda uma história, e é sofrido. Não se pinte para ser negro”, desabafou Felipe.

Momentos depois, Ana Maria convidou uma especialista, a jornalista e professora Rosane Borges, para comentar o caso. “Surgiu no século 19 nos Estados Unidos como um recurso muito utilizado pela aristocracia escravagista, que fazia da técnica uma forma de estereotipar e negar a humanidade das pessoas negras”, explicou a jornalista sobre o blackface.

Rosane alertou Anderrupson para que ele não repita esse tipo de comportamento preconceituoso, “Quero dizer que ele não deve em nenhum momento [fazer novamente]. Estamos esclarecendo para que isso não ocorra em festas, em lugar que você for, e entender que é um comportamento que não deve mais ser repetido”, disse.

Após a repercussão do ato racista, o participante usou uma rede social para se desculpar pela sua atitude e internautas desabafaram nas redes sociais.

“Fui acometido a uma situação chamada blackface, que eu não conhecia. Dei uma lida rápida, mas vou ser um pouco mais incisivo com mais tempo. Eu quero pedir desculpa, perdão, para qualquer pessoa que se sentiu ofendida por eu ter passado base e mudado meu tom de pele na minha apresentação” conta Anderrupson.

Blackface na TV brasileira

A própria Ana Maria Braga já cometeu o erro de usar uma peruca remetendo um black power, cabelo com um simbolismo enorme dentro da comunidade negra. O caso aconteceu em 2018 e não foi bem aceito na internet. “Que tal entrar na onda do black power?” disse Ana Maria.

O programa ‘Zorra Total’ também foi acusado de racismo, e praticar o blackface, com uma persoagem interpretada pelo comediante, Rodrigo Sant’anna. O Zorra foi acusado por diversos cidadãos, ONGs e foi investigada pela 19ª Promotoria de Investigação Penal, no Rio de Janeiro.

Foto: Reprodução.

“Tem um trecho em que a personagem teria dito: ‘durante a enchente não pude ficar sem minha palha de aço, daí corri atrás para pegá-la e quando vi, eram os cabelos da minha filha”’, relatou a promotora do caso, Christiane Monnerat.

Outro programa que foi criticado pelo uso do blackface, “A Hora do Faro”, no qual o apresentador, Rodrigo Faro, e a cantora, Joelma, se fantasiaram de Michael Jackson. Ambos estavam participando do quadro “Dança gatinho, dança”. O caso aconteceu no dia 23 de abril de 2017.

Não foi a primeira vez que Rodrigo foi acusado por fantasias racistas. Em 2009, o apresentador da Record, para o mesmo segmento, se vestiu de Beyoncé no clipe de Single Ladies. Nos anos 2000, Rodrigo chegou a imitar o cantor, Seu Jorge. Não contente com a mudança da cor da pele, Faro também usou uma peruca com dreads.

Foto: Reprodução.
Foto: Reprodução.
Compartilhe: