Marcos Oliveira, Beiçola de ‘A Grande Família’, pede dinheiro no Instagram para cirurgia e recebe ajuda de Tatá Werneck

Postado em: 31-05-2022 às 19h02
Por: Ana Bárbara Quêtto
Em junho do ano passado, Marcos revelou que estava passando por dificuldades financeiras. Foto: Reprodução.

No último final de semana o ator, cantor e comediante Marcos Oliveira, de 69 anos, surpreendeu seus seguidores ao postar, novamente, em sua rede social um vídeo pedindo ajuda para pagar suas contas e juntar dinheiro para fazer uma cirurgia de fístula na uretra. Ano passado, ele chegou a ser internado no setor de urologia do Hospital Municipal Souza Aguiar, localizado no centro do Rio de Janeiro.

No Instagram, outras celebridades demonstraram apoio. A comediante Tatá Werneck, disse que irá contribuir com pagamento de consultas médicas e com um plano de saúde para o colega de profissão. Os fãs de Marcos mostraram preocupação nos comentários, pelo fato do ator morar sozinho e já ser de idade.

Em junho do ano passado, Marcos revelou que estava passando por dificuldades financeiras. Disse que, devido a pandemia, vinha desde fevereiro recebendo ajuda de amigos para comprar comida, remédios (para diabetes e para o coração) e pagar o aluguel. Na época, os colegas fizeram uma vaquinha e arrecadaram mais de 66 mil reais.

“Fiquei sem dinheiro até para comprar comida. Ganhei duas cestas básicas de uma amiga produtora. Alguns amigos me ajudaram a comprar comida para mim e para as minhas cachorros. Consegui ajuda de amigos para pagar aluguel”, explica o ator.

Sobre a doença

Segundo o urologista Alex Meller, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e do Hospital Israelita Albert Einstein, a fístula é “uma comunicação entre dois sistemas, que normalmente não existe”. “Quando falamos em comunicação entre a bexiga e a próstata mostra que ali apareceu um trajeto comunicando dois sistemas de uma forma patológica e não fisiológica”, informa o médico.

Essa ligação pode ser formada por três causas. A primeira delas é a má cicatrização de cirurgias prévias e acabam formando os caminhos. A segunda, é a formação de cistos após a inflamação dos tecidos. “Ela vai inflamando, inflamando o tecido até romper a parte desse tecido e drenar o líquido. Imagine um abcesso dentro do corpo que está encostado em dois órgãos e ele vai inflamando, inflamando até que se rompe e, com isso, ele vai comunicar os órgãos que estão envolvidos nisso”, diz Meller.

O terceiro motivo são questões congênitas. “A pessoa tem desde que nasceu e, em algum momento da vida, dá problema”, conta o urologista. Porém, é raro em idosos e o ator está com 69 anos. Independente da causa, se não operadas elas podem causar infecções crônicas nos pacientes.

De acordo com o urologista, a cirurgia do ator não é simples devido à localização do cisto. “Reto, bexiga, uretra e próstata ficam em uma posição no corpo que é extremamente complexa de acessar. É uma cirurgia difícil. Às vezes fecha a passagem que foi criada pela natureza, mas acaba desenvolvendo outra. Ou seja, o buraco não fecha ou ele acaba aparecendo em outro lugar, é o que chamamos de recidiva, que tem uma taxa alta, porque estamos tratando um tecido que está inflamado e não cicatriza muito bem”, afirma o médico.

Por ter diabetes, o caso de Marcos é grave, mesmo que não interfira diretamente na fístula, mas, tem efeitos negativos. “A diabetes facilita infecção, se a causa da fístula é infecciosa vai facilitar ainda mais. Outra coisa é que a diabetes deixa a cicatrização comprometida e, às vezes, essas cirurgias não dão certo exatamente por isso”, explica o urologista.

Compartilhe: