Alunos da Escola de Formação denunciam PMDF após serem obrigados a vender rifas para reformar instituição

Alunos do curso de formação de praças IX (CFP IX), da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), denunciaram a Escola de Formação de Praças após arrecadarem R$ 200 para arcar com manutenções no local.

Postado em: 22-07-2022 às 17h31
Por: Ana Bárbara Quêtto
Formandos que fazem parte da instituição também denunciaram a adesão de um pacote de formatura, com suposto valor de R$ 7 mil | Foto: Reprodução

Alunos do curso de formação de praças IX (CFP IX), da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), denunciaram a Escola de Formação de Praças após arrecadarem R$ 200, em rifas, para arcar com manutenções no local.

Segundo alguns dos formandos, a direção da escola informou que todos os soldados 2ªclasse do CFP IX teriam que juntar uma “vaquinha” de R$ 200 para ajudar nas reformas do complexo. Além disso, os estudantes, supostamente, pagavam por cada munição usada nas aulas de tiro.

Em entrevista ao Metrópoles, um aluno, que preferiu não se identificar, afirmou que a rifa seria uma forma de ocultar a ação ilegal. “Se colocarmos no papel R$ 200 vezes 335 policiais que fazem parte do CFP IX, a escola arrecadará R$ 66 mil”, disse.

Continua após a publicidade

“Me sinto constrangido ao ser obrigado a participar de uma contribuição financeira para ajudar em reformas. Isso é obrigação do estado e todos nós sabemos que o GDF tem dinheiro para tal”, criticou.

A PMDF se manifestou por meio de uma nota, a pedido da Metrópoles. Nela, o órgão afirmou que as denúncias são mentirosas. “A rifa foi uma ação idealizada pela Comissão de Logística do Curso de Formação de Praças. São os alunos que organizam, arrecadam, controlam e decidem onde e quando gastar”, ressaltou a corporação.

Leia também: PMGO intensifica ação de combate ao tráfico de drogas em ônibus interestaduais

Formatura

Formandos que fazem parte da instituição também denunciaram a adesão de um pacote de formatura, com suposto valor de R$ 7 mil. Segundo o policial, o soldado 2ª classe que não comparecesse ao evento seria colocado em escala de serviço extra, apenas por não ter concordado em participar.

No entanto, a Polícia Militar alega que o pacote é opcional. “A adesão ao pacote da formatura sempre foi opcional e é totalmente coordenada pela comissão formada e presidida exclusivamente pelos próprios alunos”, alegou.

Ainda, os alunos que se formarem em 2022 terão que adquirir uma mochila de R$ 600, que tradicionalmente o Exército sempre emprestou para atividades internas da PMDF. “Também informaram que para a habilitação em armamento e tiro os alunos terão de desembolsar mais uma certa quantia para a compra de munição a ser empregada nas instruções”, disse o estudante ao Metrópoles.

Mas, o órgão defende que foi proposto aos formandos a aquisição do material. “No que se refere à mochila, foi proposto a aquisição por se tratar de um objeto pessoal que permanecerá com o policial militar (equipamento previsto no Regulamento de Uniformes) e o valor estimado na internet (R$220)”, refutou.

“Portanto, todas as questões levantadas são inverdades”, finalizou a nota.

Leia também: Após taparem câmeras corporais durante operação, PMs da Rota são acusados de fraude processual

Veja Também