Justiça nega pedido de habeas corpus a Bruno Krupp

O rapaz está sendo investigado por suspeita de ter atropelado e matado um adolescente de 16 anos, na orla da Barra da Tijuca, Rio de Janeiro.

Postado em: 08-08-2022 às 14h43
Por: Victória Vieira
A decisão ocorreu no domingo (7/8) | Foto: Reprodução/Instagram/ TV Globo

O pedido de habeas corpus emitido pela defesa do modelo e influenciador, Bruno Krupp, de 25 anos, foi negado pelo Tribunal de Justiça do Rio. O rapaz está sendo investigado por suspeita de ter atropelado e matado um adolescente de 16 anos, na orla da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

A decisão ocorreu no domingo (7/8). No documento, a defesa do jovem alega que a prisão preventiva estava baseando em vídeos da internet e que antes do acidente, o menino atravessou fora da faixa de pedestres.

Entretanto, a Justiça interviu o pedido devido à uma descoberta do acidente envolvendo o ex-namorado da influenciadora Sarah Poncio. Bruno foi parado por uma blitz três dias antes da tragédia, ela ainda havia feito um storys no seu perfil do Instagram, debochando da situação.

Continua após a publicidade

“Hoje me fodi”, escreveu o modelo. Minutos depois, ele postou um vídeo dizendo: “Na moral, mano. Eu amo Lei Seca. Eu amo. Amo. Já é?! Vamos ver qual vai ser o desenrolado da melhor forma, demorou?! Tamu junto… Os dois lados da pista. Vem, amor, vem brincar, vem brincar. Vambora!”.

Neste sábado (6), Krupp recebeu alta do Hospital Marcos Moraes, no Méier, Zona Norte do Rio, onde estava internado. Logo em seguida, ele foi direcionado a uma unidade prisional do estado.

“Não foi o bastante que tivesse sido parado pelos agentes da Lei Seca. Ser pego na situação já descrita não teve qualquer efeito didático. Ao contrário, adotou conduta mais ainda letal, acabando por tirar a vida de um jovem que estava acompanhado de sua mãe, ressaltando-se que Bruno não é um novato nas sendas do crime”, destacou a juíza Maria Izabel Pena Pieranti

Tragédia

O acidente aconteceu no sábado (30/7). A vítima, de 16 anos, foi identificada como João Gabriel Cardim Guimarães, ele estava acompanhado de sua mãe, Mariana Cardim de Lima. Na ocasião, o menino estava atravessando a Avenida Lúcio Costa fora da faixa de pedestre, a poucos passos do calçadão. O impacto do acidente foi violento, tendo sua perna arremessada a 50 metros do local, parando entre o calçadão e a areia da praia.

“Antes da gente atravessar, a gente olhou, e estava muito distante mesmo os carros e não tinha nenhuma projeção de nada perto da gente, mas em segundos ele, a moto estava em cima dele, e aí eu já perdi a noção do que que eu estava vendo. Eu vi a perna dele voando, eu vi o meu filho estendido no chão, me pedindo socorro. Eu comecei a gritar e pedir ajuda a todo mundo”, conta Mariana.

O vídeo gravado por câmeras de segurança mostra o suspeito pilotando uma moto em alta velocidade, sem habilitação. O limite era de 60km/h e ele estava a mais de 150km/h. De acordo com testemunhas, o suspeito é reconhecido por pilotar em alta velocidade naquele local.

“Ele é conhecido, todo fim de semana passa aqui. Aquelas motos barulhentas, passa aqui voado, às vezes passa aqui, e quando a gente olha ele já está bem longe”, relatou um quiosqueiro que viu o acidente.

João chegou a ser socorrido e encaminhado para o hospital Lourenço Jorge, mas infelizmente, não resistiu aos ferimentos.

Veja Também