Vídeo de cunho sexual sobre ‘Mamute Pequenino’ causa afastamento de professora em escola do DF

O vídeo faz parte de uma canção na qual são narrados desejos e escolhas erradas feitas pelo mamute, como uso de drogas e relações com prostitutas

Postado em: 30-09-2022 às 12h04
Por: Ícaro Gonçalves
O vídeo faz parte de uma canção na qual são narrados desejos e escolhas erradas feitas pelo mamute, como uso de drogas e relações com prostitutas | Foto: Reprodução/Youtube

Uma professora do Distrito Federal foi afastada de suas funções nesta semana, após apresentar aos alunos com idade entre 9 e 10 anos o vídeo “Um mamute pequenino”, no YouTube. A animação é antiga, e fala sobre a história do animal que usa drogas e se relaciona sexualmente com prostitutas.

O fato causou revolta entre pais e mães de crianças. Em um grupo de WhatsApp, a responsável por um aluno do 4º ano postou um texto de desabafo. Após a descobrir o caso, o colégio comunicou que afastou de imediato e docente e iniciou os trâmites para demiti-la. As informações são do portal Metrópoles.

“Gostaria de compartilhar aqui um vídeo que foi passado em sala de aula pela professora para a turma de quarto ano do meu filho, que tem crianças entre 9 e 10 anos de idade. E, pior, a professora pediu para que os alunos não contassem para os pais que ela tinha passado. Não sei o que acho pior, se é o conteúdo do vídeo em si, ou a professora influenciar os alunos a não contarem para os pais o que assistem”, disse a responsável da criança aos demais pais e mães.

Continua após a publicidade

A história do mamute

O vídeo com três minutos faz parte de uma canção, lançada no início dos anos 2000, a qual narra desejos e escolhas erradas feitas pelo “Mamute Pequenino”. Ele começa querendo voar, mas acaba pulando de um prédio. Em outro momento, fuma 500 cigarros, bebe seis litros de uísque e cheira carreiras de cocaína. A animação ainda diz que o mamute contraiu Aids após se relacionar com 100 prostitutas.

Em contato com o portal Metrópoles, o diretor de operações do colégio disse que a professora é estrangeira e pode não ter entendido o contexto do vídeo. “Ela é da Macedônia, não fala português e vem de uma cultura diferente. Infelizmente isso acontece, mas estamos providenciando já a demissão dela”.

Leia também: Defensoria Pública pede apuração de falas homofóbicas de professora em Posse; entenda

Assista ao vídeo:

Veja Também