19 de outubro de 2017 - quinta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cidades
Extorsão
11/10/2017 | 10h30
Falsos agentes ambientais são detidos por crime de estelionato
Indivíduos utilizavam uniformes com características da polícia, documentos falsos, coldres para transporte de armas e facas

Oficiais do 26º Batalhão da Polícia Militar (BPM) detiveram dois indivíduos que portavam uniformes e credenciais falsificadas de agentes ambientais. Divino Eterno da Silva, conhecido como “Deterno”, e Antônio Gomes de Oliveira foram abordados na tarde de terça-feira (10) em Caldas Novas. Os suspeitos foram presos por praticarem crime de estelionato.

O golpe começou a ser desvendado após algumas denúncias chegarem até a polícia. As informações indicavam que “agentes falsos” estariam solicitando propina para não aplicarem multas. Os criminosos utilizavam em suas fardas a insígnia de identificação da Rede de Apoio à Segurança Militar (RAS).

Informações preliminares afirmam que os sujeitos usavam o nome da Polícia Militar para extorquirem e ameaçarem as vítimas, com a intenção de conseguirem benefícios e doações de comerciantes e fazendeiros.

Além dos uniformes com características da polícia, documentos falsos e coldres para transporte de armas também foram apreendidos, assim como armas brancas (facas). Os dois suspeitos devem ser autuados pelo crime de estelionato e encaminhados para a delegacia de Polícia Civil (PC), onde ficarão à disposição da Justiça.

Os indivíduos já respondem por outros processos, como ato obsceno (masturbar dentro do veículo), falsidade ideológica, difamação e calúnia, injúria e receptação. 

Foto: PMGO

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)