Coluna

Bruno Peixoto desembarca do MDB e reforça partido de Caiado

Publicado por: Venceslau Pimentel | Postado em: 04 de maio de 2021

À frente da liderança do governador Ronaldo Caiado (DEM), na Assembleia Legislativa, há dois anos e três meses, o deputado Bruno Peixoto está decidido a deixar o MDB para se filiar ao Democratas. Ele garante que essa decisão independe da aproximação de seu partido com o governo, na formatação da chapa majoritária de 2022. Trata-se, segundo ele, de uma vontade manifesta desde que o governador lhe confiou a liderança na Alego. Logo depois de sua escolha, a direção do MDB ensaiou um movimento para questionar a sua escolha, já que Daniel Vilela havia acabado de sair de uma disputa com Caiado, no pleito de 2018. Mas ficou mesmo só na intenção. “Estamos esperando a janela partidária”, revelou Peixoto.  

Lá e cá 

Por falar no MDB, o presidente do partido, Daniel Vilela, coordenou ontem reunião hibrida, baseada no diretório estadual, para tratar, entre outros assuntos, do cenário político-eleitoral de 2022. Enquanto isso, Bruno Peixoto se fazia acompanhar de prefeitos, que levavam demandas à diretoria da Goinfra.  

Bola da vez 

Depois de Bruno Peixoto, outro reforço dado como certo, nas fileiras do Democratas, é o deputado do deputado federal Célio Silveira, que cogita deixar o PSDB, depois de desentendimentos com a cúpula tucana. 

Vale tudo 

Em busca de apoio para tentar viabilizar sua reeleição, o senador Luiz Carlos do Carmo (MDB) foi levado à casa do cantor Gusttavo Lima pelas mãos do deputado federal Glaustin da Focus (PSC). No cardápio, café, pão de queijo, cachaça e política. 

Pedido de vista 

Como recebeu emenda quando da primeira votação, no plenário da Alego, o projeto do Executivo que prevê a alienação de 57 áreas públicas do Estado, em vários municípios, agora passa pelo crivo da CCJ. O argumento é de que esses terrenos geram despesas e são suscetíveis de ocupação. 

Em tempo 

Depois de recorrer à Justiça contra a sua destituição da presidência da Associação Goiana dos Municípios (AGM), o ex-prefeito de Hidrolândia, Paulo Sergio Rezende (PSDB), reconheceu a legitimidade da assembleia geral ocorrida na semana passada, que decidiu findar o seu mandato, que se estenderia até 2022. 

No entanto  

Mesmo assim, Paulinho – como é conhecido no meio político – defendeu a legitimidade de seu mandato ter sido prorrogado, mesmo sem mandato. E citou que a Confederação Nacional de Municípios tem ex-prefeitos em sua diretoria. 

CURTAS 

– Logo depois da intubação de Bruno Covas, Rogério Cruz manifestou desejo de recuperação ao prefeito da capital paulista.  – Dono de autoescola, o deputado Charles Bento (PRTB) defende, por meio de projeto que tramita na Alego, a inclusão de instrutores de trânsito nos grupos prioritários de vacinação contra Covid-19. 

Compartilhe: