Coluna

Dinheiro de corrupção será usado para reformar escolas

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 23 de janeiro de 2020

O projeto iniciado pelo Ministério Público Federal no Rio de
Janeiro, que teve os primeiros passos em Goiás no fim de 2018, ganhou reforço
para que dinheiro recuperado no trabalho contra a corrupção seja destinado à
Educação, em reforço ao trabalho da atual secretária, Fátima Gavioli. Isso
porque o MPF em Goiás assinou aditivo ao Termo de Cooperação Técnica, em que
firmou compromisso de viabilizar a destinação das verbas recuperadas para a
revitalização da rede física das escolas públicas de Goiás. O aditivo define a
entrada da Controladoria-Geral (CGE), que vai estabelecer inspeções nas obras e
implementar nas instituições o projeto ‘Auditoria Cívica’. O aditivo também
inclui o Tribunal de Contas do Estado (TCE) que deve subsidiar as licitações
para as reformas, além de orientações técnicas sobre a correta aplicação dos
recursos públicos nos trabalhos.

Bilhões

O investimento previsto pelo MPF é composto por recursos
obtidos em ações cíveis e penais da Justiça Federal em Goiás,
incluindo algumas que são desdobramento da Operação Lava Jato, em parceria com
o FNDE.

Iniciativa

O projeto piloto foi lançado pelo Ministério Público carioca
em maio de 2018, dentro da força tarefa da Lava Jato, e passou a ser replicado
em todas as unidades. Goiás foi o segundo a aderir ao Projeto Reeducar.

Valores

A estimativa inicial é de que R$ 80 milhões depositados
judicialmente poderão ser destinados à educação. O valor pode chegar a R$ 280
milhões em sete anos.

Outro tempo

O presidente da Alego, Lissauer Vieira (PSB), depois de ter
frustrada a intenção de indicar o comandante da Polícia Militar na região de
Rio Verde, postou ontem das redes a confirmação do coronel Ricardo Rocha para o
posto.

Outros tempos

A frustração ocorreu em julho do ano passado, quando a
relação do deputado com o governador Ronaldo Caiado (DEM) estava mais tensa.
Antes mesmo do acordo pelo duodécimo da Casa, Lissauer chegou a reclamar em
rádio local.

Juntos e misturados

Firme na base caiadista, Vieira postou vídeo com Ricardo
Rocha e o secretário de Segurança Pública, Rodney Miranda, que disse esperar
que o indicado “possa fazer até um trabalho melhor” que o do antecessor na
região.

Desgaste à vista

O Ministério Público confirmou investigação contra o
prefeito Luziânia, Cristóvão Tormin (PSD), por denúncias de assédio sexual na
cidade. O caso está sob sigilo judicial, mas já são pelos menos 20 vítimas.

Modus operandi

Todas as que formalizaram denúncia contra o político já
trabalharam diretamente com ele na gestão da prefeitura da cidade. A defesa de
Tormin ainda não se pronunciou.

CURTAS

– O presidente do TJGO, Walter Carlos, assinou criação vara
exclusiva para as audiências de custódia.

– Minuta considera o Pacote Anticrime, que prevê o juiz de garantias
para separar funções no processo penal. 

– Deputados lavajatistas buscam no Congresso alterar a medida,
questionada por Moro e sancionada por Bolsonaro.

 

Compartilhe: